PABLO VALADARES/AE
PABLO VALADARES/AE

Sarney se contradiz ao explicar relação com genro de Agaciel

Ele buscou em homônimo de Rodrigo Cruz justificativa para declaração dada à tribuna de que não o conhece

Leandro Colon e Rosa Costa, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2009 | 19h23

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), apresentou mais uma explicação para rebater novas acusações de ter mentido em plenário. Desta vez, ele buscou em um homônimo do genro de Agaciel Maia, Rodrigo Cruz, a justificativa para a declaração dada à tribuna de que não o conhece. Sarney foi padrinho de casamento de Cruz no dia 10 de junho. "Não sei quem é", disse na quarta-feira, durante discurso no plenário do Senado.

 

Pressionado pela divulgação de que Cruz é seu afilhado, Sarney divulgou nesta quinta-feira, 6, por meio de sua assessoria de imprensa, uma nota dizendo que, na verdade, referiu-se a outra pessoa, chamada "Rodrigo Miguel Cruz". Segundo Sarney, ele seria ex-funcionário de Roseana Sarney e seu nome é o que aparece na representação protocolada pelo Psol no dia 30 de junho. "É este que está relacionado na denúncia do Psol, que se baseia em O Estado de S. Paulo", diz a nota.

 

Veja Também

linkDocumento contradiz versão de Sarney sobre genro de Agaciel

linkEm nota, Sarney explica contradições de discurso

linkAto secreto nomeia Rodrigo Luiz Lima Cruz como assessor de gabinete

linkRodrigo Luiz Lima Cruz é nomeado Assessor da Diretoria da Secretaria Especial do Interlegis

linkAto secreto exonera Rdrigo Luiz Lima Cruz

mais imagens Foto mostra Sarney com funcionário do Senado que diz não conhecer

especialA trajetória política de José Sarney

 

Os documentos desmentem, mais uma vez, o senador. A representação do Psol não cita nenhum "Rodrigo Miguel da Cruz". Na página 4, está o nome de "Rodrigo Cruz" e uma referência a um endereço do estadão.com.br com a lista de apadrinhados e parentes de Sarney envolvidos em atos secretos. Ao acessar o nome de "Rodrigo Cruz" no site, surge a descrição de que ele é a pessoa que casou-se com Mayanna Maia, filha de Agaciel Maia, no dia 10 de junho. Sarney foi padrinho do casamento.

 

Reportagem publicada pelo Estado no dia seguinte revelou que o noivo ganhou emprego no Senado por meio de ato secreto. Rodrigo Cruz foi nomeado em 19 de janeiro de 2006. Trabalhou no gabinete do Maguito Vilela e na Secretaria Especial do Interlegis. O "Rodrigo Miguel Cruz" citado por Sarney trabalhou entre 2003 e 2007 no gabinete de Roseana e do então senador e hoje ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB-MA). Ele não aparece em atos secretos, nem na representação do Psol.

 

Quebra de decoro

 

Nesta quinta-feira, em plenário, o senador José Nery (Psol-PA) afirmou que Sarney pode ter quebrado o decoro parlamentar novamente. "O senador Sarney faltou com a verdade", disse. Irritado, Sarney chegou a levantar a suspeita de que o Psol possa ter fraudado a representação para incluir o endereço do portal do Estadão. Nery pediu respeito a Sarney e exigiu que o Conselho de Ética comprove que não houve alteração no documento.

 

Não é a primeira vez que Sarney se confunde nas explicações. Sua assessoria divulgou três notas diferentes para esclarecer a omissão de uma casa R$ 4 milhões na declaração de bens à Justiça Eleitoral. Na última versão, sobrou para um contador, que teria "esquecido" de incluir o imóvel. Em outro episódio, Sarney afirmou que não tinha qualquer responsabilidade administrativa com a Fundação José Sarney, suspeita de desvios de verba da Petrobrás. Reportagem do Estado mostrou que o presidente do Senado é presidente vitalício da entidade, conforme o estatuto da própria fundação.

Tudo o que sabemos sobre:
José SarneySarneySenadocrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.