Sarney ressalta que é prioridade votar Ficha Limpa até junho

'O senador Romero Jucá tem uma posição que, com certeza, não é a minha', afirmou

Agência Brasil

13 Maio 2010 | 12h29

BRASÍLIA - Independentemente do posicionamento do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), de querer discutir de forma mais detalhada o Projeto Ficha Limpa e, se for o caso, apresentar emendas, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse nesta quinta-feira, 13, que a matéria é prioritária e vai colocá-la em votação. O objetivo é encaminhar a matéria para sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva antes do dia 9 de junho, quando termina o prazo para que possa valer já nas eleições deste ano.

 

Veja também:

 Ouça a íntegra do debate que reunião ONGs pró-Ficha Limpa no 'Estadão'

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Íntegra do projeto Ficha Limpa

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Improbidade Administrativa --  Sistema de consulta de políticos processados e condenados por improbidade

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Leia tudo o que foi publicado sobre o Ficha Limpa

 

"O problema do (Projeto) Ficha Limpa é que se trata de uma aspiração nacional e de uma necessidade", disse o senador. Para apressar a tramitação do projeto no Senado, José Sarney disse que convocará todos os líderes partidários, na semana que vem, para tentar um acordo que permita votar o projeto o mais rápido possível.

 

Sarney deixou claro que diverge de Jucá quanto ao projeto. "O senador Romero Jucá tem uma posição que, com certeza, não é a minha", afirmou. O presidente do Senado acredita que a intenção de debater com calma a votação do projeto não é uma posição do governo Luiz Inácio Lula da Silva.

 

O parlamentar destacou que, ao contrário de uma postura reticente do Executivo sobre o projeto, tem percebido "manifestações de simpatia". "Essa é uma questão que não é partidária, mas de consciência. Não vi até agora uma posição do governo (referente à apreciação do projeto)".

 

Por outro lado, José Sarney descartou a possibilidade de inversão de pauta na apreciação das medidas provisórias que permitisse iniciar a votação, já na semana que vem, do reajuste de 7,7% nas aposentadorias e pensões da Previdência Social e o fim do fator previdenciário. "Não posso fazer isso porque o regimento interno e a Constituição Federal são claros ao estabelecer que a votação das MPs tem que seguir a ordem de chegada (ao Senado)".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.