Sarney rejeita rotação com PT no comando do Senado

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), reagiu ontem à proposta do PT de estabelecimento de um rodízio com o PMDB nas presidências da Câmara e do Senado. O PMDB defende o revezamento apenas na Câmara dos Deputados. Mas os petistas reivindicam o comando no Senado durante o biênio 2013-2014. "Essa questão é regimental", disse Sarney, por meio de sua assessoria de imprensa.

AE, Agência Estado

12 de novembro de 2010 | 08h46

A reação do atual presidente do Senado foi semelhante a do líder do PMDB na Casa, Renan Calheiros (AL), que lançou mão do regimento para justificar a manutenção da presidência nas mãos de peemedebistas pelos próximos quatro anos.

A partir de 1.º de fevereiro, o PMDB terá 20 senadores, mantendo a maior bancada da Casa. Em seguida virá o PT, com 14 senadores. Os peemedebistas alegam que o regimento do Senado prevê que a presidência da Casa fique sempre com o maior partido. Renan observou que "só a maioria do Parlamento pode revogar o regimento".

Na Câmara, não há uma regra clara determinando que a Casa tem de ser presidida pelo maior partido. O PT elegeu a maior bancada, com 88 deputados. Em segundo lugar, ficou o PMDB (79 deputados). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadopresidênciaPTPMDBJosé Sarney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.