Sarney não deve se licenciar, diz vice-líder do governo

Senador Argello diz que presidente do Senado mantém posição ficar no cargo mesmo após divulgação de áudios

AE, Agencia Estado

22 de julho de 2009 | 18h19

O vice-líder do governo no Senado, Gim Argello (PTB-DF), disse nesta quarta-feira, 22, à Agência Estado que, em sua avaliação, o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), mantém a posição de não se licenciar do cargo, mesmo depois da reportagem em que o jornal O Estado de S.Paulo revela diálogos gravados pela Polícia Federal que mostram prática de nepotismo pela família de Sarney no Senado. Argello disse que conversou com Sarney por telefone na noite de ontem, antes da publicação, e que o senador estava tranquilo.

Veja também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

Na avaliação de Argello, Sarney não tem mais o que dizer em relação às denúncias, pois sua defesa já foi feita mais de uma vez, em discursos no plenário. "Não há mais o que dizer. É melhor que o Conselho de Ética discuta este assunto daqui para frente", disse o vice-líder, que é um dos integrantes do conselho.

A próxima reunião do Conselho de Ética do Senado está marcada para 5 de agosto. Pesam contra Sarney quatro denúncias apresentadas pelo senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) - duas responsabilizando o presidente do Senado pela edição dos atos secretos e duas sobre suposta participação dele em um esquema de desvio de dinheiro da Petrobras destinado a um projeto cultural da Fundação José Sarney.

O PSOL também é autor de uma representação provocando os conselheiros a investigarem a responsabilidade de Sarney na edição dos atos secretos. Nesta manhã, o senador José Nery (PSOL-PA) informou que o partido estuda a possibilidade de apresentar nova representação contra Sarney com base no conteúdo das gravações publicadas hoje pelo jornal O Estado de S.Paulo.

As gravações apresentadas na reportagem, a maioria feitas em 2008, mostram também intervenções do senador José Sarney junto ao então diretor-geral do Senado, Agaciel Maia, para garantir a nomeação de integrantes da família Sarney para cargos no Senado. Assessores disseram que estão tentando contato com o senador, que passa férias no Maranhão.

 

somDiálogo 1 (30/3/2008 - 15h14min04s): Neta do presidente do Senado negocia com o pai, Fernando Sarney, cargo para o namorado na Casa

 

som  Diálogo 2 (31/3/2008 - 11h34min54s): Neta do presidente do Senado negocia com o pai, Fernando Sarney, cargo para o namorado na Casa

 

som  Diálogo 3 (01/4/2008 - 15h57min00s): Neta do presidente do Senado negocia com o pai, Fernando Sarney, cargo para namorado na Casa

 

som  Diálogo 4 (01/4/2008 - 21h00min53s): Neta do presidente do Senado negocia com o pai, Fernando Sarney, cargo para o namorado na Casa

 

som  Diálogo 5 (02/4/2008 - 09h36min17s): Filho do presidente do Senado, Fernando Sarney, tenta agilizar a contratação do namorado da filha

 

som  Diálogo 6 (02/4/2008 - 10h32min21s): Filho do presidente do Senado, Fernando Sarney, fala com o pai e  pede que ele dê "uma palavrinha com Agaciel" para a contratação e os dois conversam sobre "negócio da TV"

 

som  Diálogo 7 (25/03/2008 - 19h31min29s): Filho do presidente do Senado, Fernando Sarney, conversa com o filho João Fernando sobre o emprego dele como funcionário do senador Epitácio Cafeteira 

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoJosé SarneyGim Argello

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.