Sarney: ?Me recuso a ser instrumento de disputas?

O senador José Sarney (PMDB-AP), cuja candidatura à Presidência do Senado é defendida pelo atual presidente da Casa, senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), divulgou nota afirmando que só aceitará ser candidato se houver consenso sobre isso entre as correntes majoritárias da Casa e, "assim mesmo, para prestar um serviço ao País com o ânimo de pacificá-la". Na nota, que tem seis tópicos, o senador diz também que se recusa "a ser colocado como preposto ou instrumento de quem quer que seja, a serviço de disputas". Ele dá sua interpretação da posição de ACM: "Acredito que a lembrança do meu nome pelo senador Antonio Carlos Magalhães seja motivada pelo meu passado político e a minha condição de parlamentar mais antigo no Congresso, mantendo excelentes relações com os meus colegas, nunca por razões subalternas". Na nota, o senador assegura que nunca se envolveu nem me envolverá nas divergências entre ACM e o líder e presidente do PMDB, senador Jader Barbalho, lembrando que ambos foram ministros quando ele ocupou a Presidência da República. Sarney afirma, ainda, que em sua vida pública tem sido "um político conciliador e disposto a encontrar sempre um terreno comum em prol do bem público." E conclui, enfático: "Porém, não aceito a intimidação de agressões verbais, consciente que estou de minhas responsabilidades face ao interesse nacional. Minha discrição neste assunto reitera a conduta de minha vida pública, que nunca se alterou".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.