Sarney manda processar funcionários por atos secretos

A comissão não indicou a participação, mesmo que genérica, de qualquer senador no processo

05 de julho de 2009 | 18h35

Aliviado com o resultado da comissão de sindicância do Senado que responsabilizou os ex-diretores Agaciel Maia e João Carlos Zoghbi pelo esquema de produção dos atos secretos,  o presidente do Casa, José Sarney (PMDB-AP), disse que determinou a abertura de processo administrativo contra os dois servidores.

 

Senado fará auditoria em contas secretas

Comissão recomenda processo contra diretores e poupa Sarney

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

A comissão não indicou a participação, mesmo que genérica, de qualquer  senador no processo, embora parte dos atos secretos tenha servido para nomear ou exonerar em segredo parentes dos parlamentares, inclusive Sarney.

 

O presidente do Senado falou sobre a abertura de processo contra os ex-diretores depois de um encontro com o arcebispo emérito de Brasília, dom José Freire Falcão, na residência do cardeal.

 

Logo depois, Sarney recebeu em casa o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), o senador Gim Argello (PTB-DF) e o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. "O espírito de Sarney está tranquilo e aliviado", disse Lobão, ao deixar a residência.

O relatório final da comissão de sindicância recomendou a abertura de processo contra Agaciel, que ocupou a diretoria-geral do Senado por 14 anos, e contra Zoghbi, ex-diretor de Recursos Humanos da Casa.  

Tudo o que sabemos sobre:
sarneysenadoatos secretos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.