Sarney grava depoimento sobre origens do Mercosul

O ex-presidente da República e atual líder do PMDB no Senado Federal, José Sarney, chegou ao Memorial da América Latina, na capital paulista, onde grava depoimento para o projeto "Presidentes do Mercosul". O evento é promovido pela Fundação Memorial da América Latina, com o apoio da Agência Estado. Segundo um dos seus coordenadores, o consultor Gilberto Dupas, o objetivo do projeto é "aprofundar a história", avaliando o processo de implantação do Mercosul por meio dos seus principais personagens. "Vamos aprofundar as discussões sobre o Mercosul por meio dos líderes políticos que estiveram envolvidos no processo", disse Dupas. Sarney (PMDB-AP) foi o responsável pelos passos iniciais do Mercosul, cuja formação ele articulou com os presidentes Julio Maria Sanguinetti, do Uruguai, e Raúl Alfonsín, da Argentina. Juntos, eles criaram o Mercado Comum do Sul, que incluiria o Paraguai e, posteriormente, a Bolívia e o Chile como membros associados. O projeto "Presidentes do Mercosul", que teve início em setembro do ano passado, já registrou os depoimentos de Sanguinetti e Alfonsín. Durante depoimento sobre a implantação do Mercosul, Sarney vai ainda responder a perguntas elaboradas por especialistas. Entre eles, estão o economista e ex-ministro Luiz Carlos Bresser Pereira, o ex-deputado federal Fernando Gasparian, o economista da Unicamp Luciano Coutinho, o advogado Saulo Ramos, o presidente da Fundação Padre Anchieta, Jorge Cunha Lima, e o diretor da Agência Estado em Brasília, o jornalista João Bosco Rabello. Ainda hoje em São Paulo, o senador peemedebista participa da inauguração da exposição "José Sarney - O Poeta e o Defensor da Liberdade", que será inaugurada às 19 horas no hall da Biblioteca Latino-Americana Victor Civita. Durante a abertura da mostra, comemorativa aos 70 anos do senador, completados no ano passado, Sarney autografa seu livro de contos, "Norte das Águas". A publicação foi lançada pela primeira vez em 1969 e está agora sendo relançada pela editora Siciliano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.