Sarney encerra sessão no Senado e evita imprensa

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), deixou o prédio do Congresso Nacional depois de presidir sessão em homenagem ao deputado federal paulista José Aristodemo Pinotti. Na saída, Sarney evitou falar com a imprensa. Quando questionado sobre a conversa que teve ontem com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, o presidente do Senado limitou-se a responder: "Ela pediu para não revelar". Sobre sua possível ida ao velório do deputado Pinotti, Sarney disse que achava que não daria tempo. O enterro está marcado para as 17 horas, no Cemitério da Consolação, na capital paulista.

EUGÊNIA LOPES, Agencia Estado

01 de julho de 2009 | 16h28

Conforme reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, Sarney é um dos parlamentares citados entre os que teriam parentes beneficiados por meio de atos secretos adotados para criação de cargos, nomeações e aumentos salariais. Além disso, o esquema de crédito consignado no Senado, alvo de investigação da Polícia Federal (PF), inclui entre seus operadores José Adriano Cordeiro Sarney, neto do presidente da Casa. O peemedebista já perdeu os apoios pela sua manutenção no cargo do PSDB, do DEM, do PDT e, hoje, do PT.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoJosé Sarneyatos secretos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.