Agência Estado
Agência Estado

Sarney é 'pato manco', não manda mais no Senado, diz Virgílio

Líder do PSDB no Senado diz que cerco ao presidente da Casa 'está se fechando' e que ele terá que se explicar

Neri Vitor Eich, da Agência Estado,

03 de julho de 2009 | 11h12

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), em pronunciamento nesta sexta-feira, 3, voltou a criticar o presidente da Casa, senador José Sarney (PMDB-AP), e citou reportagem em que o Estado revela que Sarney omitiu, nas declarações feitas à Justiça Eleitoral em 1998 e 2006, a propriedade de uma casa no valor de R$ 4 milhões situada na Península dos Ministros, área nobre de Brasília. Virgílio afirmou que o peemedebista - alvo de uma série de denúncias de irregularidades - é hoje "um pato manco, não manda mais no Senado".

 

Veja também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

Virgílio, que habitualmente faz discursos exaltados, falou em voz baixa e afirmou que vê que "cada vez mais se fecha o cerco" ao presidente do Senado. "Ele terá que dar explicações", disse o líder tucano, acrescentando que Sarney, agora, "certamente terá o apoio do seu partido e do partido do presidente Lula (o PT)." Virgílio pediu que a reportagem do Estadão fosse registrada nos anais da Casa.

 

O senador do PSDB lembrou ter dito a Sarney, quando este disputava a presidência do Senado com o senador Tião Viana (PT-AC), que não votaria nele porque ele não faria "as mudanças necessárias" para acabar com as irregularidades na Casa. Desde então, segundo Virgílio, as denúncias não pararam. "Eu não sabia que, desfiando o fio do novelo, apareceria tanta podridão."

 

Virgílio disse que Tião Viana teria feito algumas mudanças. "Sei que não faria todas. Lula diria 'não exagere, não vá muito além, para não prejudicar os aliados'." Na avaliação do líder do PSDB, Viana teria afastado Agaciel Maia (já demitido da Diretoria-Geral do Senado) e transferido João Carlos Zoghbi da Diretoria de Recursos Humanos para uma diretoria menor. (Zoghbi também já foi afastado).

 

Previu que as mudanças no Senado "vai-se impor, com quaisquer sacrifícios" e reafirmou sua avaliação de que "Sarney não tem condições de liderar o Senado para que se possam fazer as reformas necessárias e não tem condições de romper com essas figuras do passado - Agaciel e Zoghbi."

 

Virgílio disse que continuará fazendo suas críticas e declarou cinco vezes: "Ninguém me cala".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.