Sarney e João Paulo descartam convocação extraordinária

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), descartou, nesta terça-feira, a possibilidade de convocação extraordinária do Congresso em janeiro, a exemplo do que já fizera o presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP). Sarney disse não conhecer as razões que levaram o presidente da Comissão Mista de Orçamento, deputado Paulo Bernardo (PT-PR), a pedir um prazo maior. O presidente do Senado reafirmou que o acordo entre ele e João Paulo Cunha é de prorrogar os trabalhos do Congresso até dia 23 deste mês, para votação de matérias orçamentárias. "Não é, de nenhuma maneira, possível fazer até o dia 31 de janeiro", disse, referindo-se à proposta de Bernardo, que queria uma convocação extra de 16 de dezembro até o fim de janeiro", alegando que a votação do Orçamento da União para 2005 está atrasada e que não será possível concluí-la até dia 23.Mais cedo, o presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP) já havia descartado a possibilidade de convocação extraordinária do Congresso para janeiro. Ele admitiu, no entanto, que até o dia 23 poderá ser incluída alguma outra matéria para votação, mas ressaltou que não é essa a intenção. Disse também que, até amanhã, pretende colocar em votação a Lei de Falências, o projeto do Código Tributário e as propostas de emenda constitucional sobre trabalho escravo e Reforma da Previdência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.