Sarney diz que corte em emendas traz 'desconforto'

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), reconheceu hoje que o corte de R$ 18 bilhões em emendas parlamentares traz "desconforto" aos parlamentares. Ele ressaltou, porém, que o Congresso precisa aceitar a decisão. "Acho que não se trata de insatisfação, mas de certo desconforto. Os cortes são necessários porque temos que manter a estabilidade econômica e nós, do Congresso, temos que dar nossa cota de sacrifício. O Legislativo não pode deixar de dar a sua contribuição." Sarney afirmou que a volta da inflação seria muito ruim para o Brasil e, por isso, é preciso colaborar com a estabilidade econômica do País.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

01 de março de 2011 | 12h31

O presidente do Senado afirmou que a redução de recursos para o Bolsa Família não pode ser interpretada como um corte. "Não é um corte nos programas sociais existentes, o que não seria admitido. O governo apenas diminuiu o ritmo, o que não ofende a linha social do governo. Houve uma desaceleração nos investimentos". Sobre a reforma política, para qual a Câmara e o Senado têm comissões independentes, Sarney disse esperar um "encontro de ideias" e que a votação ocorra ainda este ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.