Sarney diz a Bornhausen que vai desistir de candidatura

O senador José Sarney (PMDB-AP) telefonou esta manhã ao presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), informando-o de que, diante da falta de consenso dentro do PMDB, ele não vai candidatar-se à presidência do Senado. Hoje de manhã, o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), levou a Sarney o resultado das conversas que manteve ontem, até altas horas da noite, em que ele não conseguiu convencer os senadores José Fogaça (RS) e José Alencar (MG) a abrirem mão de suas candidaturas em favor de Sarney. Segundo interlocutores de Sarney, diante desse impasse, o próprio Calheiros voltou a colocar também seu próprio nome na disputa.ReavaliaçãoO presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), disse há pouco que o senador José Sarney (PMDB-AP) ainda poderá voltar atrás em sua decisão de não se candidatar à presidência do Senado, se a bancada do PMDB, seu partido, indicar seu nome por unanimidade como candidato do partido ao cargo. Esta é a única condição que Sarney tem manifestado a seus interlocutores. "Sarney pode voltar atrás, se prevalecer o bom-senso dentro do PMDB", disse Bornhausen. O PFL, cuja bancada no Senado está em reunião permanente, decidiu reavaliar o processo sucessório na casa, principalmente se o PMDB não vier a viabilizar a candidatura Sarney. Se o candidato do PMDB for Sarney, o PFL nem reunirá a bancada para homologar seu nome, que aprovará automaticamente. Caso, no entanto, o PMDB vir a optar por Renan Calheiros (AL), atual líder do PMDB no Senado, o PFL está disposto, até, a discutir a possibilidade de lançar outro candidato. Na avaliação de senadores pefelistas, todas as articulações no âmbito peemedebista apontam para a criação de um fato consumado, ou seja, em torno de Calheiros para presidente do Senado e Ney Suassuna (PB) na liderança do PMDB no Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.