Sarney deve ser investigado, diz Cristovam sobre denúncias

Senador pedetista defende que Conselho de Ética investigue apartamentos registrados em nome de empreiteira

Fernando Martines, de estadao.com.br,

18 de agosto de 2009 | 07h17

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) acredita que José Sarney (PMDB-AP) deve renunciar à presidência do Senado e ser investigado em consequência da denúncia, publicada pelo Estado, de que dois apartamentos utilizados por sua família em São Paulo foram pagos e estão registrados em nome da empreiteira Aracati Construções, Assessoria e Consultoria Ltda.  

 

Veja também:

som  Ouça a entrevista com Cristovam Buarque

link Mendes pede rapidez no caso da censura ao Grupo Estado

link Para juiz do STF, vazamento da Boi Barrica não é erro do jornal

 

Em entrevista ao site estadao.com.br na segunda, 17, após a apresentação da defesa do Senador no plenário, Cristovam primeiro afirmou que a investigação dependeria da manutenção das denúncias pelo Estado de S. Paulo na sua edição desta terça-feira, 18.

 

Casso isso ocorresse, o PDT entraria com uma representação no Conselho de Ética contra o presidente do Senado. Logo depois o senador foi mais enfático: "Acho que com a simples notícia do jornal (sobre os apartamentos da família Sarney pagos pela empreiteira), eu justifico a abertura de investigação sobre Sarney, nem que seja para provar que o jornal está errado."

 

Para o senador Cristovam Buarque, as novas denúncias contra Sarney precisam ser investigadas, pois o discurso em plenário do presidente do Senado nesta segunda-feira, 17, não foi suficiente para encerrar o assunto. "Não basta a palavra dele (José Sarney). Tem um jornal sério, de peso nesse País, com uma denúncia grave", disse o pedetista, que ainda pontuou: "Agora, ou o Estadão pede desculpas ao Sarney, ou o derruba".

 

Na verdade, se dependesse apenas de Cristovam, a representação contra Sarney referente aos apartamentos já teria sido apresentada ao Conselho de Ética. Porém, o senador informou que ainda vai levar a questão à direção do partido e a decisão será tomada entre esta terça, 18, e quarta-feira, 19.

 

O senador deixou claro, ainda, que são apenas passos protocolares, e já planeja como irá agir no próximos dias. "Se entrarmos na terça-feira, na próxima reunião do Conselho de Ética, o Duque (PMDB-RJ) ou arquiva, ou nós entramos novamente com uma ação."

 

Sobre o presidente do Conselho de Ética, Cristovam se mostrou extremamente insatisfeito: "Duque não está se comportando como deveria. Daqui a pouco, alguém vai entrar com uma representação contra ele".

 

Campanha midiática

 

Cristovam também se posicionou sobre as declarações de José Sarney sobre o jornal Estado de S. Paulo, feitas nesta segunda-feira, 17, em discurso no plenário: "Me chocou profundamente. Falou em câmera de gás. Não entendi o discurso de José Sarney e ultimamente não tenho entendido".

 

Perguntado sobre qual atitude achava que José Sarney deveria tomar no momento, Cristovam disse que, há dois meses, "propôs que se licenciasse do cargo (de presidente)". Atualmente, o senador acha que Sarney deve renunciar a presidência. "A simples licença não basta mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.