Sarney defende Lula em reunião do PMDB

O senador José Sarney (PMDB-AP) fez hoje uma defesa veemente do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na reunião do Conselho Político do PMDB, que aprovou a participação do partido no governo de coalizão. "Acredito no presidente, no seu espírito público e ele tem demonstrado isso", disse. "Ele vai fazer um segundo mandato que será brilhante com a nossa colaboração".Em um discurso de desabafo e para justificar seu apoio a Lula desde o primeiro mandato, o senador reforçou a necessidade de o PMDB construir uma candidatura forte "que tenha condições de luta e de crescimento" em 2010. Mas, agora, segundo ele, o partido precisa colaborar com o governo, sem que isso signifique "submissão e subserviência" a qualquer partido da coalizão.Ao dar um recado direto ao PT, que não aceita perder espaço no governo para o PMDB, Sarney foi incisivo. "Não estamos fazendo coalizão com o PT, mas com o presidente da República, que será o avaliador e o árbitro do governo de coalizão". Apesar de o PT ser adversário político da família Sarney no Maranhão, o ex-presidente da República fez questão de explicar o apoio a Lula em 2002. "Emprestei minha liderança para apoiá-lo e fiz achando que era melhor e acertei", reconheceu, afirmando que, juntamente com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) - outro interlocutor de Lula no PMDB - evitou que o partido fosse "vítima do canibalismo" que atingiu outras legendas."Em nenhum momento aceitamos ser caudatários do PT nem de outros partidos", enfatizou. Depois de afirmar que sempre foi mal interpretado por setores do PMDB, apesar de estar no partido há 27 anos e ter trabalhado pela unidade, deixou claro que não abandonará a legenda. "Nunca sairei do PMDB", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.