Sarney caminha para 'inviabilidade', diz Virgílio

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), afirmou hoje que a situação do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), caminha para a "inviabilidade" após a nova denúncia publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, sobre o envolvimento de um neto dele em empréstimos consignados na instituição. "O presidente Sarney está caminhando a passos largos para a inviabilidade", disse Virgílio. A Polícia Federal (PF) investiga suspeitas de corrupção e tráfico de influência envolvendo empréstimos consignados a servidores.

LEANDRO COLON, Agencia Estado

25 de junho de 2009 | 12h09

O senador voltou a cobrar respostas imediatas e drásticas por parte de Sarney. "Não sei se é licença ou renúncia. Mas ele está indo mal e precisa responder com urgência. O que se desenha é uma crise institucional. Creio que seja a maior que já vi depois da ditadura militar. É uma crise maior que a do mensalão, porque envolve agora um poder mais fraco do que o Executivo", afirmou.

Na opinião de Virgílio, a ligação de um neto de Sarney com empréstimos consignados é mais grave do que a participação do ex-diretor João Carlos Zoghbi no esquema - a PF já investiga a atuação do servidor por meio de uma empresa em nome de uma ex-babá. "É mais agravante, no caso do Sarney, porque envolve um componente familiar, no caso, o neto", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.