Sarkozy quer Brasil no G8 e no Conselho de Segurança da ONU

Opresidente da França, Nicolas Sarkozy, manifestou nestaterça-feira apoio a uma maior participação do Brasil emassuntos mundiais, inclusive com uma vaga no Conselho deSegurança da ONU e no G8, duas instâncias que seriam ampliadas. "O mundo precisa que o Brasil assuma seu lugar em todas asorganizações internacionais. É inimaginável que assuntosmundiais estejam sendo discutidos sem representantes da Áfricae da América do Sul", declarou Sarkozy em discurso na fronteirada Guiana Francesa com o Amapá, onde se reuniu com o presidenteLuiz Inácio Lula da Silva. Lula e Sarkozy prometeram empenho para superar problemascomo taxas de vistos e a burocracia, que dificultam o comérciolegal entre o Brasil e a Guiana Francesa, que é um DepartamentoUltramarino da França. Os dois se encontraram na quente e úmida Saint-Georges, àbeira do rio Oiapoque, que marca a fronteira com o extremonorte do Amapá. Membros da mítica Legião Estrangeira francesa -- barbados eportando machados -- formaram uma guarda de honra numacerimônia em que foi apresentada a maquete de uma ponte queligará a cidade brasileira de Oiapoque à francesaSaint-Georges. A obra, primeiro acesso terrestre à Guiana Francesa, seráimportante no desenvolvimento daquela área amazônica. Aconstrução deve começar no fim deste ano e terminar em 2010. Vestindo terno preto apesar do sufocante calor equatorial,Sarkozy agradeceu Lula por seus esforços em prol da libertaçãoda franco-colombiana Ingrid Betancourt, seqüestrada desde 2002pela guerrilha colombiana Farc. Lula, vestindo uma confortável camisa clara, disse que oBrasil está preparado para ajudar qualquer esforço humanitárioque leve à libertação de reféns, mas salientou que a liderançadesses esforços cabe à Colômbia e ao presidente venezuelano,Hugo Chávez. Lula e Sarkozy também concordaram em buscar soluções para apresença ilegal de brasileiros na Guiana Francesa,especialmente garimpeiros, e de combater o contrabando.Estima-se que 50 mil brasileiros vivam no território vizinho,dos quais apenas 20 mil legalmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.