Sarkozy convida Dilma para visitar a França, diz embaixada

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, convidou a presidente Dilma Rousseff para visitar a França e ela teria aceitado, informou a embaixada daquele país na terça-feira. A data da viagem, contudo, não foi definida.

REUTERS

22 de fevereiro de 2011 | 21h03

Segundo a representação diplomática, a ministra das Relações Exteriores francesa, Michèle Alliot-Marie, em visita ao Brasil, entregou a Dilma uma carta de Sarkozy, na qual o mandatário destaca as parcerias estratégicas e as boas relações bilaterais.

A França é um dos países que participam da licitação avaliada em pelo menos 4 bilhões de dólares para vender aviões de combate ao Brasil.

Fazem parte da concorrência o caça francês Rafale, da Dassault, o sueco Gripen NG, da Saab, e o F-18, fabricado pela Boeing.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia manifestado preferência pelo Rafale, mas deixou o governo sem resolver a questão.

Dilma decidiu adiar a escolha do fornecedor para reavaliar todas as ofertas, buscar novas garantias e acertar questões sensíveis como transferência de tecnologia.

Mais cedo, Michèle disse no Itamaraty que a França entende que o novo governo brasileiro precisa de tempo para reavaliar a compra dos caças para a Força Aérea Brasileira (FAB).

"É natural que ela (Dilma) precise de tempo para refletir sobre isso", disse a chanceler, acrescentando que é normal que o governo precise de tempo devido aos cortes orçamentários e o breve período no governo.

No entanto, a ministra defendeu novamente que a França é a melhor oferta para o Brasil porque garante a transferência tecnológica completa dos caças Raffale, o que permitirá ao Brasil a exportação da aeronave.

O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, frisou que a transferência tecnológica francesa já está comprovada. "É real", disse.

(Reportagem de Ray Colitt)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAFRANCACONVIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.