São Paulo será sede da campanha de Garotinho

O governador do Rio, Anthony Garotinho (PSB), disse, nesta segunda-feira, que fará de São Paulo o centro de comando da campanha dele para presidente, a partir de abril, quando pretende deixar o governo do Estado. "O comando da campanha no Sudeste será em São Paulo, já que São Paulo será decisivo nessas eleições", disse.Até as 21 horas desta segunda-feira, Garotinho esteve reunido num jantar com empresários do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), no Restaurante Infinito, no World Trade Center (WTC), na zona sul da cidade.Ele considera que o Estado é uma potência econômica e ninguém será presidente do País se não estabelecer diálogo com os líderes empresariais e trabalhistas paulistas.Garotinho afirmou que seu maior adversário é o desconhecimento do eleitor com relação à sua candidatura e não o ex-ministro da Fazenda Ciro Gomes e o presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva. "Segundo pesquisa, 70% dos eleitores no País não me conhecem. Por isso, pretendo mostrar o meu trabalho em programas de TV, rádio e reuniões."Garotinho será a principal estrela do programa nacional do PSB, que será exibido em dezembro e terá duração de dez minutos."Serei prioridade no programa, mas ainda não tenho detalhes da produção", disse. Para Garotinho, a disputa entre os pré-candidatos à sucessão do presidente Fernando Henrique Cardoso é "uma disputa pela força"."Qualquer que seja o candidato do PSDB, não vai para o segundo turno, porque vai herdar o ?fernando-malanismo?, que representa uma política econômica humilhante", disse Garotinho, que acredita que o governador do Ceará, Tasso Jereissati (PSDB), e o ministro da Saúde, José Serra, disputam para ver quem será "enforcado".O governador disse que não considera a governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PFL), um fenômeno. "Com esse tempo de exposição, qualquer sabonete teria o mesmo resultado", comparou.Garotinho não quis dar palpites sobre a escolha do candidato do PMDB a presidente, uma vez que acredita que seria como prever o resultado de loteria, e disse que aguardará o resultado para conversar sobre alianças com o partido.Ele afirmou que conta com o apoio de vários setores do PMDB e citou como exemplo a bancada carioca, por meio do presidente da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Sérgio Cabral, e de peemedebistas de Santa Catarina.O governador também afirmou que o PSB terá candidato próprio a governador de São Paulo e que a ex-prefeita Luiza Erundina seria o principal nome do partido. Mas isso contraria o cenário configurado no Estado, uma vez que a legenda está dividida entre consolidar o apoio à candidatura do governador Geraldo Alckmin (PSDB) ou fechar acordo com o PT, do deputado José Genoíno.Garotinho fica em São Paulo esta noite e nesta terça-feira viaja para Barretos e São José do Rio Preto, no interior do Estado, para encontros políticos. Depois, segue para o Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.