São Paulo não mudou após seis meses de Marta Suplicy

Em três meses, São Paulo estaria fora da Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A promessa, feita pela prefeita Marta Suplicy (PT) em janeiro, não se concretizou, para grande parte dos paulistanos. Pesquisa do InformEstado sobre o primeiro semestre da administração revela que, para metade da população, a cidade não mudou desde a gestão Celso Pitta (PTN). Assim como os consultados pela reportagem, Marta citou, em entrevista ao Estado, o transporte e a saúde como os principais problemas de sua gestão. Os principais problemas da cidade são:Transporte - Ônibus sucatados, aumento de tarifa de R$ 1,15 para R$ 1,40 e dificuldades para combater os perueiros clandestinos ficam como marca do primeiro semestre. Setor foi o mais criticado pela população no levantamento.Saúde - A área continua em situação precária por conta do fim do PAS e de suas cooperativas. Faltam médicos e remédios em hospitais e postos médicos e a pasta, na opinião até da prefeita representa o principal problema de sua gestão. Limpeza - Apesar de a coleta de lixo e a varrição de ruas terem recebido boa avaliação, setor provocou as primeiras dificuldades da gestão petista, por causa de problemas levantados nos contratos de emergência. Social - Renda Mínima, Bolsa-Trabalho e Começar de Novo já beneficiam 17 mil famílias. No entanto, em comparação com o ex-prefeito Celso Pitta, atual administração investiu menos nas pastas sociais.Habitação - Foram retomadas obras de 7.500 casas em regime de mutirão e 4 mil unidades por empreiteiras - incluindo 1.900 apartamentos do Projeto Cingapura. O objetivo, segundo secretário, é superar as metas.Leia mais no especial do jornal O Estado de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.