Saneamento impróprio mata 13 mil pessoas por ano

O saneamento inadequado tem uma forte relação com um dado desanimador: a morte de mais de 13 mil pessoas por ano em decorrência de doenças como a diarréia. No País onde 25% da população não dispõe de rede coletora eficiente e 80% dos moradores em domicílios particulares permanentes queima, enterra ou joga o lixo em terreno baldio, as moléstias relacionadas ao saneamento ambiental deficiente são um problema freqüente.Segundo pesquisa do IBGE, o número de internações por doenças provocadas por saneamento inadequado caiu sinsivelmente de 1993 para 2002: de 730 para 375 por 100 mil habitantes. Mas, segundo a coordenadora os Indicadores Sociais da instituição, Denise Kronemberger, os números podem mascarar uma realidade ainda mais grave, já que muitas das enfermidades citadas não demandam internação. "Há casos em que há dificuldade de se fazer a notificação e outros em que o paciente nem precisa ser hospitalizado".O número de óbitos por doenças relacionadas ao saneamento deficiente consta de estudo parcialmente usado pelo IBGE no levantamento divulgado nesta quinta-feira. Para o autor, André Monteiro Costa, do Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães, unidade da Fundação Oswaldo Cruz em Pernambuco, o número de mortes e internações pode parecer pequeno se comparado com o conjunto de outras doenças, mas se torna dramático por tratar-se de um problema evitável. "Os números mostram a necessidade de o governo pensar numa política que, de fato, direcione recursos para atender as populações mais vulneráveis", ressalta André.Além da diarréia, outras doenças associadas à falta de saneamento são as febres entéricas, dengue, hepatite A, esquistossomose, doenças de pele, teníases, entre outras. Para o presidente do IBGE, Eduardo Pereira Nunes, o indicador, assim como os outros relativos à área social, demonstram melhorias, mas, "em termos absolutos, indicam que há um longo caminho a ser percorrido até o desenvolvimento sustentável".Veja mais dados divulgados pelo IBGE:Investimentos não garantem sustentabilidade, diz IBGE PIB impede melhor desempenho da economia Cai oferta de energia renovável no Brasil Consumo de substâncias minerais no Brasil ainda é baixo Produção e consumo de petróleo dispararam de 93 para 2002 Consumo de energia retoma crescimento, diz IBGE Alumínio lidera reciclagem, aponta estudo Brasil é responsável por 10% do tráfico de animais silvestres País cumpre meta e reduz agressão à camada de ozônio Concentração de poluentes em SP caiu 23% desde 99, diz IBGE Consumo de fertilizantes dobrou em 10 anos, aponta IBGE Amazônia tem equivalente a um Estado de SE desmatado ao ano Flamengo tem pior condição de balneabilidade no País IBGE indica queda no número de casas sem rede de esgoto Taxa de alfabetização cresce muito lentamente, mostra IBGE Número de mortes por homicídio cresce rápido

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.