Sambódromo dará palanque ao PT em 2012

A homenagem da Gaviões da Fiel ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no carnaval paulistano de 2012 será mais do que o encontro entre samba e política. Será também a oportunidade que o Partido dos Trabalhadores terá de se destacar num ano eleitoral. Chamado de "estrela guia", Lula é retratado nos 10 sambas-enredo que disputam a preferência da escola como o garoto predestinado do sertão nordestino que fez a "faculdade da vida" e se tornou líder da nação. E como a história do ex-presidente está intimamente ligada à fundação do PT, o partido terá sua chance de pegar carona na popularidade do ex-presidente e fazer do sambódromo do Anhembi seu palanque eleitoral.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

23 de setembro de 2011 | 08h03

Foram inscritos 16 sambas, sendo que só três ou quatro devem chegar à final de 7 de outubro. Terão direito a voto os diretores da bateria, os componentes da comissão de harmonia, a diretoria da escola, a comissão de carnaval e o homenageado. Em caso de empate, o presidente da agremiação dará seu voto.

A Gaviões estima que gastará até R$ 3 milhões na homenagem a Lula. Por enquanto, a escola conta com recursos da Prefeitura de São Paulo, dos direitos de transmissão de TV, da Liga das Escolas de Samba e da venda de fantasias, mas declara abertamente que procura patrocinadores. Quem já garantiu sua participação no desfile de Lula foi a Central Única dos Trabalhadores (CUT), que reservou uma ala só para a entidade sindical.

Oficialmente, a escola diz que pretende dissociar a imagem de Lula da "estrela" petista, mas sutilmente o partido ganhou espaço nas letras dos sambas-enredo. Segundo a Gaviões da Fiel, o vermelho que representa os partidos de esquerda não deverá ser predominante no desfile e só aparecerá nas alegorias relacionadas à vida política do ex-presidente.

Sem medo de ser feliz

As letras do enredo intitulado "Verás que o filho fiel não foge à luta, Lula o retrato de uma nação" seguem a linha cronológica da vida do ex-presidente, de sua saída de Pernambuco no pau de arara à chegada ao Palácio do Planalto. Só foram classificadas as que seguiram a ordem imposta pela sinopse da agremiação.

O ponto alto das letras é a primeira eleição de Lula em 2002, quando a campanha tucana usou o depoimento da atriz Regina Duarte onde dizia que temia a eleição do petista. Num dos sambas, a virada do candidato que perdeu três eleições consecutivas é comparada ao jogo de xadrez.

A história do garoto analfabeto que "sacudiu o Planalto" ganha nos sambas um final feliz, onde o protagonista que promoveu a revolução da "fartura, moradia e educação" sai consagrado "nos braços do povo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.