Imagem Dora Kramer
Colunista
Dora Kramer
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Salve-se se puder

O vice-presidente Michel Temer prepara série de seis visitas às cinco regiões do País e uma especial ao Rio de Janeiro entre o fim de janeiro e a segunda quinzena de março, dando margem à interpretação de que a caravana visa a “tomar o pulso” do PMDB e da sociedade em geral em relação ao pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff em tramitação na Câmara.

Dora Kramer, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2016 | 03h00

De modo quase geral, analistas da cena política apontam a busca de visibilidade com vista a uma possível substituição dela por ele como a verdadeira razão da rodada. Não acreditam na versão de que o objetivo de Temer seja pacificar e unificar o PMDB antes da convenção do partido a ser realizada em março. 

Contrariando o habitual, no entanto, desta vez a versão oficial está em consonância com a realidade. Por um motivo simples, objetivo e que, para ele, se impõe como prioridade: a permanência na presidência do PMDB, que ocupa desde 2001.

Nesses quinze anos, nunca foi tão importante para Michel Temer assegurar a manutenção no comando do partido.

No momento ele está menos preocupado com o mandato da presidente da República e muito mais mobilizado para salvar o próprio mandato à frente do PMDB. Se ocupando a presidência Temer já não tem controle total sobre os pemedebistas, fora do cargo aí mesmo é que seria uma figura decorativa. Um vice-presidente pela metade, desprovido de serventia política.

Uma caravana pró-impeachment nessa altura só traria mais problemas ao vice e não lhe renderia benefício algum. Já um périplo pelas seções regionais do PMDB com o intuito de pacificar o partido e sob o argumento de que a unidade em torno da figura do vice-presidente da República é crucial nessa hora de incertezas, pode dar substância ao seu cacife para vencer a ala que lhe faz oposição.

Não é um grupo qualquer. Reúne senadores de peso (Renan Calheiros, Romero Jucá e Eunício Oliveira), a seção regional fluminense, a de maior representação no partido com 10% dos delegados à convenção, com indiscreto apoio do Palácio do Planalto.

Pela primeira vez nessa década e meia, Michel Temer se vê diante da possibilidade concreta de perder a presidência do partido. De onde o mandato da presidente torna-se, para ele, uma questão secundária face à necessidade premente de salvar a própria pele. Prova disso é a visita especial à seção fluminense, impermeável ao impeachment. A discussão do tema serviria apenas ao aprofundamento da divisão, enquanto Michel Temer deseja e necessita conquistar votos apostando na união.

Vem de longe. Iniciava-se o ano de 2003, Lula recentemente eleito presidente da República. O PT organizou um encontro em São Paulo, no Hotel Hilton, pela primeira vez na vida do partido a portas fechadas, vedado o acesso da imprensa.

José Eduardo Dutra e Jaques Wagner eram cotados para a presidência do partido. Nenhum dos dois queria a função. Dutra por causa da experiência no comando do PT de Sergipe – “um horror” – e Wagner pelo desejo de ocupar a presidência da maior empresa brasileira.

Palavras de Wagner na ocasião: “Com a Petrobrás nas mãos, serei governador da Bahia”. De imediato, o interlocutor não entendeu a relação de causa e efeito, mas em retrospectiva, o diálogo, do qual jamais me esqueço, fez todo sentido.

No mesmo evento, José Genoino explicitou os planos do partido: a bordo do poder conquistar a hegemonia política, social e partidária de maneira a dominar o Brasil.

Deu errado para o PT. Mas, no fim, acabará dando certo para o combate à impunidade no Brasil. De maneira torta, os petistas escreveram de forma certa sua antiga defesa da ética na política. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.