Najara Araújo/Câmara dos Deputados
Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Presidentes da Câmara e do Senado criticam ataque de Salles a Ramos

Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) saíram em defesa do ministro da Secretaria de Governo; Ricardo Salles disse que 'assunto está encerrado'

Emilly Behnke e Andre Borges, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2020 | 12h13
Atualizado 24 de outubro de 2020 | 18h58

BRASÍLIA - Os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), tomaram partido no conflito político entre os ministros Ricardo Salles, do Meio Ambiente, e Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, neste sábado, 24. Maia restringiu seu comentário a um ataque contra Salles, ao passo que Alcolumbre ainda reconheceu o papel de Ramos na relação institucional com o Congresso. O ministro do Meio Ambiente afirmou ao Estadão considerar que "o assunto está encerrado".

O Ministério do Meio Ambiente vive uma queda de braço com o Ministério da Economia e tenta reverter o congelamento de parte do orçamento de sua pasta. Ricardo Salles já pediu a Guedes ao menos duas vezes a liberação da verba, mas teve o pedido negado. Na primeira vez, em agosto, Salles já havia ameaçado parar todo o combate a incêndios e o governo acabou recuando. Na última vez, ocorrida nesta quarta-feira, o Ibama determinou de fato o recolhimento de todos os cerca de 1.400 agentes em campo lutando contra incêndios no País. O motivo foi justamente a falta de recursos.

Diante das dificuldades orçamentárias da pasta do Meio Ambiente, Salles soube que Ramos teria articulado com o Ministério da Economia maiores recursos para as pastas da Infraestrutura e do Desenvolvimento Regional. Para o Meio Ambiente, a orientação dada foi para que impusesse limites. Ao tomar conhecimento de que Ramos estaria minando sua atuação, Salles pediu no Twitter nesta quinta-feira, 22, que o general parasse com a "postura de Maria Fofoca". O termo faz referência à fama entre os ministros de que Ramos vazaria informações à imprensa sobre seus pares.

"O ministro Ricardo Salles, não satisfeito em destruir o meio ambiente do Brasil, agora resolveu destruir o próprio governo", criticou Maia em seu Twitter neste sábado. O ataque à atuação de Salles por parte de Maia não é novidade, mas tem significado diferente diante do teste de forças do chefe do Meio Ambiente com o palaciano Ramos.

Alcolumbre, por sua vez, avaliou não ser saudável que "um ministro ofenda publicamente outro ministro. Isto só apequena o governo e faz mal ao Brasil". Interessado na reeleição no Senado, ele está alinhado com o governo e tem atuado como articulador dos interesses do Executivo. O presidente do Senado ainda defendeu a "importância do ministro Luiz Eduardo Ramos na relação institucional com o Congresso".

Ramos é responsável pela articulação política com o Parlamento e tem o apoio de membros do Centrão e da ala militar do governo. O vice-presidente Hamilton Mourão já havia classificado como “péssimo” o que foi dito por Salles. Além dele, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) também elogiou sua condução na articulação política.

Juntaram-se ao coro o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), que agora disse ser "importante dar o testemunho do competente trabalho de articulação política realizado pelo ministro Luiz Eduardo Ramos", e o deputado Baleia Rossi (MDB-SP), líder do MDB na Câmara, que afirmou ter Ramos construído "uma agenda proutiva e democrática com o Congresso".

Ministro do Meio Ambiente

Ao assistir neste sábado, 24, às reações do presidente da Câmara e do Senado, Salles optou por não contra-atacar. "Para mim, este assunto está encerrado", disse Salles ao Estadão.

O ministro do Meio Ambiente acredita ter passado um recado a Ramos da insatisfação não apenas sua, mas da ala ideológica do governo, que vê no palaciano o responsável pela aproximação do governo Bolsonaro com o Centrão. Saíram em sua defesa ao longo da semana o filho do presidente, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e as deputadas bolsonaristas Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP) e Caroline de Toni (PSL-SC).

Após a repercussão negativa, o Ministério do Desenvolvimento Regional e o Ministério da Economia prometeram recursos para resolver o problema financeiro do Meio Ambiente. Com a promessa, o Ibama já chamou seus brigadistas para retornar ao trabalho. Ramos e Salles estiveram juntos na sexta-feira em evento da Força Aérea Brasileira (FAB) junto do presidente Jair Bolsonaro, que atuou como mediador imparcial para amenizar a relação dos seus dois chefiados. Eles combinaram de conversar em uma situação futura, sem previsão de ocorrer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.