Reprodução
Reprodução

Salgueiro troca máscaras de José Dirceu pelo Coringa

Foliões passaram a identificar a ala como uma crítica aos condenados pelo mensalão

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

22 de novembro de 2012 | 19h21

RIO - Considerado por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) o chefe do mensalão, o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu (PT) seria retratado no próximo carnaval pela escola de samba Salgueiro, que vai apresentar o enredo "Fama" no sambódromo do Rio. Condenado a dez anos e dez meses de prisão pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha, Dirceu teria seu rosto reproduzido em máscaras da fantasia "Quem vê cara não vê coração". Além da máscara, o traje inclui terno e uma faixa nas cores verde e amarela que se assemelha à faixa presidencial.

Reproduzida no site da escola de samba para ser comercializada, a fantasia causou repercussão. Ao ver reproduzido o rosto de José Dirceu, foliões passaram a identificar a ala como uma crítica aos condenados pelo mensalão. A direção do Salgueiro decidiu então alterar a máscara, que agora retrata o personagem Coringa, vilão dos quadrinhos e arqui-inimigo do super-herói Batman. O restante da fantasia não foi alterada.

"Nossa intenção não era causar polêmica. A ala não teria só máscaras do José Dirceu, mas também de outros políticos e de gente famosa em outras áreas", conta o diretor de carnaval do Salgueiro, Anderson Abreu. "No contexto do enredo, que fala sobre fama, a ideia dessa ala era mostrar como as pessoas comuns aproveitam o carnaval para se fantasiar como pessoas famosas. Era uma referência ao carnaval de rua, onde é comum encontrar gente fantasiada. Mas as pessoas começaram a interpretar como uma crítica política, e então decidimos mudar", disse. A reportagem não conseguiu falar com a responsável pela Ala Pura Simpatia, que comercializa a fantasia. A maioria das fantasias do Salgueiro custa entre R$ 950 e R$ 1.200.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoDirceuSalgueiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.