Salgado rebate Simon e diz não ver motivo para renúncia

O senador Wellington Salgado (PMDB-MG) mostrou-se inconformado com a sugestão do colega Pedro Simon (PMDB-RS) de que o presidente do Senado, José Sarney, deva se afastar do cargo. "Se afastar por que, se ele está agindo com transparência?", questionou. "Sarney está cortando quem deveria cortar", afirmou. Para o senador, se Sarney for afastado do cargo virá outro senador para o seu lugar e continuará o risco de haver novas denúncias novamente. "Sou espectador, mas não sou burro. Sou suplente, mas não sou burro. Me tacham como se eu fosse um subproduto", reclamou.

CÉLIA FROUFE E DENISE MADUEÑO, Agencia Estado

25 de junho de 2009 | 17h43

Salgado explicou que sua avaliação é a de que, como a economia vai bem e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem alta aceitação, é preciso atacar alguma instituição e esta instituição seria o Senado. "É um sinal de autoflagelação? Eu sou contra. Vamos nos atacar porque não temos quem atacar?", indagou. Hoje, o jornal O Estado de S. Paulo denunciou que o neto do presidente do Senado, José Adriano Cordeiro Sarney, é um dos operadores do esquema de concessão de empréstimos consignados a servidores do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.