Salário mínimo de R$ 420 quebraria o País, diz Raupp

O relator do Orçamento para 2007, senador Valdir Raupp (PMDB-RO), disse ser "impossível" atender à reivindicação das centrais sindicais de aumentar o salário mínimo dos atuais R$ 350 para R$ 420. "Quebraria o País, quebraria a Previdência, os Estados mais pobres e os municípios, que também têm de fazer a correção do salário. Seria insustentável", afirmou, em entrevista nesta segunda-feira à Rádio Nacional. Ele explicou que o principal problema no reajuste do mínimo é a sobrecarga que o aumento causa na Previdência Social. Segundo ele, o déficit previdenciário em 2006 deve ser em torno de R$ 42 bilhões; a previsão para 2007 é que esse valor fique em torno de R$ 46 bilhões. "Cada R$ 1 que se aumenta no salário mínimo, significa R$ 180 milhões a mais de despesa para a previdência". Apesar de dizer que a questão ainda não está fechada, Raupp voltou a afirmar que colocará no relatório final a proposta de aumento para R$ 375, valor superior ao defendido pela equipe econômica do governo, que pede reajuste de R$ 367. "Espero que esta semana a gente volte a conversar com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, com o do Orçamento, Paulo Bernardo, e talvez com o próprio presidente da República para fechar essa questão do salário mínimo?. Segundo Raupp, seria ?muito bom? que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fechasse o novo mínimo em R$ 380. ?Ele iria cumprir um compromisso da primeira campanha, que era dobrar o valor do salário mínimo?, avaliou. "Eu sei que é muito difícil, porque são R$ 5 a mais?, ponderou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.