Salário de deputados de Minas terá corte de 60%

A direção da Assembléia Legislativa de Minas divulgou nota, no final da tarde de hoje, informando que os vencimentos dos deputados estaduais, que, segundo denúncia publicada pela imprensa local na semana passada, chegam a R$ 60 mil, serão reduzidos em cerca de 60%. De acordo com a nota, assinada pelo presidente da Assembléia, Antônio Júlio (PMDB), a medida foi tomada em razão das repercussões negativas do alto salário dos parlamentares junto à opinião pública.Nos contra-cheques deste mês, os deputados não terão direito a uma série de verbas descritas como necessárias às "atividades parlamentares", o que poderá reduzir o total dos ganhos para algo entre R$ 15 mil e R$ 20 mil, segundo o deputado petista Durval Angelo. O deputado é um dos defensores da diminuição dos vencimentos, mas negou que tenha sido o responsável pela revelação dos valores, publicada pelo jornal Estado de Minas e baseada na declaração de renda de um parlamentar não identificado.A mesa diretora da Assembléia também informou que irá buscar entendimentos com a Receita Federal para definir sobre quais verbas, constantes no salário global dos deputados, há a incidência do Imposto de Renda. Também será atendida solicitação feita há poucos dias pela Procuradoria Geral de Justiça de Minas, que quer saber em detalhes como se constitui os pagamentos aos deputados.Apesar da decisão da Assembléia, a Associação dos Oficiais da Polícia Militar de Minas entrou hoje com uma ação civil pública na Justiça do Estado contra os altos salários dos deputados. De acordo com a entidade, o objetivo da ação é garantir não apenas que os salários sejam reduzidos, mas também a devolução aos cobres estaduais, pelos parlamentares, de todas as verbas de custeio e de manutenção dos mandatos que forem consideradas abusivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.