Saída do PSB será da 'pior maneira possível', diz Cid Gomes

Convite para ingressar na legenda feito por Campos a principal opositor desagradou o governador do Ceará, que promete deixar a sigla ainda nesta quarta

Lauriberto Braga, especial para O Estado

25 de setembro de 2013 | 09h53

Fortaleza - Depois de duas horas de reunião a portas fechadas, na noite dessa terça-feira, 24, o governador do Ceará, Cid Gomes, disse a interlocutores que sua saída do PSB ocorrerá da "pior maneira possível". Antes do encontro com a Executiva Estadual da sigla, Cid afirmou que negociava saída amistosa com o presidente da legenda, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Ao final da reunião, já no início da madrugada desta quarta, 25, Cid recebeu uma ligação da senadora Lídice da Mata (PSB-BA), a quem afirmou: "Eduardo Campos pediu para eu sair da pior maneira possível". O diálogo foi presenciado por jornalistas. O governador referia-se ao convite feito por Campos ao deputado estadual Heitor Férrer (PDT) para ingressar no PSB. Ferrer é o principal opositor de Cid na Assembleia Legislativa do Ceará.

À Lídice, o governador cearense prometeu deixar o partido ainda nesta quarta. "Ele não só pede para eu sair do partido como pede para eu sair da pior maneira possível", repetiu para a senadora.

Cid, que defende o apoio da sigla à reeleição da presidente Dilma Rousseff, entrou em conflito com Campos, provável candidato do PSB à Presidência da República em 2014. Ao negociar sua saída da legenda, o cearense não queria ser "perseguido" por Campos. Do pernambucano, teve o compromisso de que ele não tentaria reaver os mandatos de quem deseje sair do PSB.

Nesta quarta, a Executiva Nacional da legenda deve se reunir em Brasília para tratar da saída de parlamentares do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.