Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Saída de Marta do PT antecipa cronograma da disputa de 2016

Dezoito meses antes da realização do 1.º turno, o PSDB e o PRB de Celso Russomanno já competem com o PSB pela busca de apoios e o protagonismo do sentimento de antipetismo

Pedro Venceslau e Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

04 de maio de 2015 | 10h02

São Paulo - A desfiliação da senadora Marta Suplicy do PT e o anúncio precoce de que ela será candidata à Prefeitura de São Paulo pelo PSB levaram os partidos a antecipar seus cronogramas para a disputa eleitoral na capital em 2016. 

Dezoito meses antes da realização do 1.º turno, o PSDB e o PRB de Celso Russomanno já competem com o PSB pela busca de apoios e o protagonismo do sentimento de antipetismo. 

Os partidos apostam no isolamento do prefeito Fernando Haddad (PT) e acreditam que ele “pagará a fatura” política das manifestações anti-Dilma Rousseff de março e abril. Foi na capital que os protestos tiveram o seu epicentro. 

Os tucanos decidiram que o candidato da legenda será definido no segundo semestre, e não seis meses antes da eleição, como costuma acontecer. Dirigentes do PSDB e aliados do governador paulista dizem que pela primeira vez desde 2000 o candidato não será Geraldo Alckmin ou José Serra. 


“Perdemos a oportunidade criar novas lideranças, por isso precisamos de mais tempo para consolidar um nome diferente no eleitorado”, diz o vereador Mário Covas Neto, até o momento o candidato único para assumir a presidência do PSDB paulistano. A eleição para o diretório municipal será em maio. 

‘Renovação’. Quem aparece como favorito para representar a “renovação” do partido na campanha de 2016 é o vereador Andrea Matarazzo. Ele recebeu o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e dos senadores José Serra e Aloysio Nunes Ferreira. 

“A expectativa da entrada da Marta na disputa levou o Haddad a mover suas peças e a trazer o (Gabriel) Chalita (secretário municipal da Educação) e o (Eduardo) Suplicy (secretário municipal de Direitos Humanos) para o governo”, diz Matarazzo. 

O PSB já articula o palanque de Marta. Segundo o presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira, a candidatura da senadora na capital foi consensual no PPS, que se fundirá com a sigla. 

Para garantir um bom tempo na TV, os pessebistas disputam com Celso Russomanno (PRB) o apoio do Solidariedade, partido ligado à Força Sindical e com grande poder de mobilização. 

A estratégia do PSB é explorar o antipetismo para conseguir angariar apoio na classe média. A senadora conta com forte base nas periferias da cidade, mas é vista com desconfiança pelo eleitor mais conservador. 

O PT tenta minimizar o impacto da entrada de Marta na disputa, mas já esboçou uma estratégia para tentar neutralizar o discurso da ex-filiada: despersonificar a gestão dela à frente da prefeitura. “As conquistas são nossas, do PT. Não há política pessoal”, afirma o vereador Paulo Fiorillo, presidente do PT paulistano. 

A avaliação dos petistas é de que a senadora não conseguirá quebrar a barreira do antipetismo. “Não acredito que ela vai conquistar os votos ‘azuis’. E ela ainda vai perder o que acha que é dela: os votos da periferia”, afirma o presidente estadual do PT, Emidio de Souza.

Tudo o que sabemos sobre:
Marta SuplicyPTeleições municipais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.