Saída de Gabrielli atende os interesses de Lobão

O ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, voltou à recepção para complementar as declarações sobre a troca de comando na Petrobras e afirmar que a saída do atual presidente, José Sergio Gabrielli, foi definida em comum acordo com o executivo. "Não é um desapreço em relação ao Gabrielli, mas pelo contrário. Ele tem um projeto político que não poderia ser feito enquanto ocupasse o comando da Petrobras. É uma mudança que atende basicamente os interesses dele", disse Lobão.

EDUARDO RODRIGUES, Agência Estado

23 de janeiro de 2012 | 15h20

O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), confirmou hoje que há um convite para que Gabrielli assuma uma das secretarias do Estado. Lobão lembrou que a sucessora no comando da petrolífera, Maria das Graças Silva Foster, por ser atual diretora de Gás e Energia, participou de todas as decisões em relação a novos projetos e investimentos da empresa. Por isso, a entrada dela no comando da empresa não significaria uma mudança de rumo.

Mais conteúdo sobre:
GabriellisaídaLobão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.