Saída de Aécio foi 'gesto de convergência', diz Guerra

Em carta dirigida especificamente aos mineiros, o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra, disse que entende a desistência do governador de Minas Gerais, Aécio Neves, de disputar a nomeação tucana à Presidência da República, como um "gesto de convergência". "Quero dizer que o partido entende o gesto do governador como um gesto com o tamanho do governador - equilíbrio e solidariedade, no sentido da convergência e que essa convergência vai prevalecer, que vamos continuar juntos e vamos ganhar as eleições deste ano", diz a carta, divulgada esta tarde.

ANA LUÍSA WESTPHALEN, Agencia Estado

17 de dezembro de 2009 | 18h08

Na nota, cheia de elogios rasgados ao governador tucano, Guerra destacou a capacidade de negociação e liderança do mineiro e disse que Aécio "honra o Brasil". O presidente nacional do partido ainda avaliou que Aécio Neves teria todas as condições de governar o País e de ganhar as eleições presidenciais.

Foi acompanhado de Guerra e do vice-governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, que Aécio leu nesta tarde a carta em que renunciou ao posto de pré-candidato da legenda à cabeça de chapa que disputará a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições do ano que vem. "Deixo a partir deste momento a condição de pré-candidato do PSDB à Presidência da República, mas não abandono minhas convicções e minha disposição para colaborar com meu esforço e minha lealdade para a construção das bandeiras da Social Democracia Brasileira", disse o governador mineiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.