SAIBA MAIS-Embrapa tem convênios em quatro continentes

Os bons resultados da Embrapa nodesenvolvimento de sementes e técnicas agrícolas tropicaislevou a empresa brasileira a ter acordos bilaterais decooperação técnica com 49 países em quatro continentes. Atualmente, a Embrapa só não atua na Oceania, mas naquarta-feira cientistas australianos visitaram a unidade derecursos genéticos e biotecnologia da empresa para conhecerpesquisas nas áreas vegetal e animal. Veja a seguir os países em que a Embrapa está presente e osprojetos que apóia e desenvolve. AMÉRICAS -- Estados Unidos, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia,Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Guiana, Haiti,Honduras, Jamaica, México, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname,Uruguai e Venezuela. -- Apoio à construção de cisternas, desenvolvimento detecnologia agropecuária e sistemas de produção de ovinos ecaprinos. Transfere técnicas para o cultivo e processamento defrutas, produção de hortaliças, côco, mamona, soja, manga,mandioca, pêra, vinho e biodiesel. Realiza pesquisas genéticas,de biotecnologia e proteção contra pragas. Outra demanda dessespaíses é a modernização de seus setores sucroalcooleiros. ÁSIA -- China, Japão, Coréia do Sul, Índia e Sri Lanka. -- Intercâmbio em pesquisas sobre o arroz e a gestão derecursos hídricos. Com o Japão, a Embrapa estuda projetosconjuntos em terceiros países. ÁFRICA -- África do Sul, Angola, Botsuana, Burkina Faso, CaboVerde, Camarões, Congo, Gana, Guiné Bissau, Marrocos,Moçambique, Nigéria, São Tomé e Príncipe, Senegal e Zimbábue. -- Desenvolvimento rural, produção de caprinos,hortifruticultura e apoio em técnicas de produção pecuária decorte e de leite. A empresa também ajuda os países afortalecerem suas instituições de pesquisas agropecuárias. EUROPA -- Dinamarca, Espanha, França, Holanda, Hungria, Itália,Portugal, Reino Unido e Suíça. -- Intercâmbios de técnicas, pesquisas em alimentosorgânicos e uso do potássio. Nos países desenvolvidos, ostécnicos da instituição têm acesso a novas tecnologias. Depois,empregam esses conhecimentos no Brasil.(Reportagem de Fernando Exman)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.