Saiba como o STF vai examinar a denúncia do 'mensalão'

A denúncia do procurador-geral da República contra o ex-ministro José Dirceu e mais 39 pessoas envolvidas no chamado "mensalão" começa a ser apreciada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira, 22. É um dos mais complexos casos da história política e do Judiciário no Brasil.Veja como irá se desenrolar o processo: 1. O QUE SERÁ DECIDIDOSe a denúncia apresentada pelo procurador-geral da República preenche os requisitos para a abertura de ação penal contra os 40 denunciados no inquérito do mensalão. Nesta fase, o Supremo não julga os acusados, mas examina se a denúncia contém os indícios mínimos para sustentar a acusação, se o crime e suas circunstâncias foram expostos corretamente, se os acusados foram corretamente qualificados e os crimes, tipificados. 2. QUEM DECIDEA decisão pode ser tomada por unanimidade ou por maioria (cinco votos) de nove ministros. A presidente do STF, Ellen Gracie, só é obrigada a votar em matérias constitucionais (não é o caso do inquérito). O ex-ministro Sepúlveda Pertence aposentou-se na última semana e não participa. O inquérito e a eventual ação penal tramitam no STF porque envolvem ex-ministros e parlamentares, que não podem ser processados em instâncias inferiores. 3. ONDE ASSISTIRTV Justiça (canal 53-UHF, SKY canal 117, DirecTV canal 209, NET, canal 10) Rádio Justiça (104.7 FM, em Brasília). Ou na internet (http://www.tvjustica.gov.br/). As sessões de quarta, quinta e sexta começam às 10 horas com intervalo para almoço e sem previsão para o encerramento. Se necessário, haverá sessão segunda, 27.Qualquer pessoa pode acompanhar o julgamento no STF, mas a maior parte dos 246 lugares no plenário foi reservada para os acusados e seus advogados. Dois telões foram instalados em um dos salões do STF, com capacidade limitada. 4. O ROTEIRO DO JULGAMENTOLeitura do relatório (resumo do processo) pelo ministro Joaquim Barbosa (50 páginas, previsão pouco mais de uma hora).Sustentação oral da denúncia pelo procurador-geral Antonio Fernando Souza (prazo de uma hora)Defesa oral dos denunciados. Cada advogado tem direito a 15 minutos. Até terça-feira 27 advogados haviam se registrado (se for usado o tempo máximo, serão usadas 7 horas e meia pela defesa)Leitura das questões preliminares e do voto do relator Joaquim Barbosa. São mais de 400 páginas (previsão de cerca de seis horas).Debate e declaração dos votos dos ministros, por ordem de antiguidade (do mais novo para o mais velho). Sem previsão de tempo, esta fase pode avançar até segunda-feira. Qualquer ministro pode pedir vistas (exame individual) do inquérito e suspender a votação. 5. AÇÃO PENALCaso o STF decida pela abertura da ação contra todos ou parte dos denunciados, eles se transformam em réus e começa a fase do contraditório. Defesa e acusação podem arrolar testemunhas, solicitar diligências e perícias antes do julgamento final, para o qual não há prazo previsto.Caso o STF rejeite a denúncia, o inquérito será arquivado. 6. A DENÚNCIAO procurador-geral Antônio Fernando de Souza acusou o ex-ministro José Dirceu de ser o "chefe de uma organização criminosa" que atuou para "desviar dinheiro público e comprar apoio político."Segundo o procurador, a "quadrilha" teria operado entre 2003 e 2005 com um núcleo político-partidário, um núcleo financeiro e um núcleo publicitário.Entre os acusados estão o ex-ministro Luiz Gushiken, o ex-presidente do PT, deputado José Genoíno (SP), o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, o empresário Marcos Valério Fernandes de Souza e seus sócios, diretores do Banco Rural, deputados e dirigentes do PT, do antigo PL (atual PR), PTB, PP e PMDB, além do ex-presidente do PTB, Roberto Jefferson, que denunciou o chamado "mensalão". 7. OS DENUNCIADOS E AS ACUSAÇÕES1. Anderson Adauto, ex-ministro dos Transportes -- corrupção ativa e lavagem de dinheiro2. Anita Leocádia, ex-assessora do deputado federal Paulo Rocha -- lavagem de dinheiro3. Antônio Lamas, irmão de Jacinto Lamas -- formação de quadrilha e lavagem de dinheiro4. Ayanna Tenório, ex-vice-presidente do Banco Rural -- formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta5. Bispo Rodrigues (Carlos Rodrigues), ex-deputado federal do PL -- corrupção passiva e lavagem de dinheiro6. Breno Fischerg, sócio na corretora Bonus-Banval -- formação de quadrilha e lavagem de dinheiro7. Carlos Alberto Quaglia, dono da empresa Natimar -- formação de quadrilha e lavagem de dinheiro8. Cristiano Paz, sócio de Marcos Valério -- corrupção ativa, peculato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro9. Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT -- formação de quadrilha, corrupção ativa e peculato10. Duda Mendonça, publicitário -- evasão de divisas e lavagem de dinheiro11. Emerson Palmieri, ex-tesoureiro informal do PTB -- corrupção passiva e lavagem de dinheiro12. Enivaldo Quadrado, dono da corretora Bonus-Banval -- formação de quadrilha e lavagem de dinheiro13. Geiza Dias, auxiliava Simone, ex-diretora da SMPB -- formação de quadrilha, corrupção ativa, evasão de divisas e lavagem de dinheiro14. Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil -- peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro15. Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL (hoje PR), -- formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro16. João Cláudio Genu, ex-assessor da liderança do PP -- formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro17. João Magno, ex-deputado federal -- lavagem de dinheiro18. João Paulo Cunha, deputado federal (PT-SP), -- corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato19. José Borba, ex-deputado federal, foi líder do PMDB -- corrupção passiva e lavagem de dinheiro20. José Dirceu, ex-ministro chefe da Casa Civil -- formação de quadrilha, corrupção ativa e peculato21. José Genoíno, deputado federal (PT-SP), -- formação de quadrilha, corrupção ativa e peculato22. José Janene, primeiro-tesoureiro do PP -- formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro23. José Luiz Alves, ex-chefe de gabinete de Anderson Adauto no Ministério dos Transportes -- lavagem de dinheiro24. José Roberto Salgado, vice-presidente do Banco Rural -- formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta25. Kátia Rabello, dona do Banco Rural -- formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta26. Luiz Gushiken, ex-ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência da República -- peculato27. Marcos Valério, publicitário, seria o operador do esquema -- formação de quadrilha, falsidade ideológica, corrupção ativa, peculato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro28. Paulo Rocha, deputado federal (PT-PA), -- lavagem de dinheiro29. Pedro Corrêa, ex-deputado federal pelo PP -- formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro30. Pedro Henry, deputado federal (PP-MT), -- formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro31. Professo Luizinho (Luiz Carlos da Silva), ex-líder do governo na Câmara -- lavagem de dinheiro32. Ramon Hollerbach, sócio de Marcos Valério -- formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro33. Roberto Jefferson, ex-deputado federal pelo PTB, -- corrupção passiva e lavagem de dinheiro34. Rogério Tolentino, sócio de Marcos Valério -- formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro35. Romeu Queiroz, ex-deputado federal pelo PTB -- corrupção passiva e lavagem de dinheiro36. Sílvio Pereira, ex-secretário-geral do PT -- formação de quadrilha, corrupção ativa e peculato37. Simone Vasconcelos, ex-diretora da SMPB, seria a principal operadora do esquema dirigido por Marcos Valério -- formação de quadrilha, corrupção ativa, evasão de divisas e lavagem de dinheiro38. Valdemar Costa Neto, deputado federal (PR-SP), -- formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro39. Vinícius Samarane, diretor do Banco Rural -- formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta40. Zilmar Fernandes, sócia de Duda Mendonça -- evasão de divisas e lavagem de dinheiro 8. AS PENASCorrupção ativa: prisão de 2 a 12 anos e multaCorrupção passiva: prisão de 2 a 12 anos e multaPeculato (especifico de servidor público): prisão de 2 a 12 anos e multaFalsidade ideológica: prisão de 1 a 5 anos e multaLavagem de dinheiro: prisão de 3 a 10 anos e multaEvasão de divisas: prisão de 2 a 6 anos e multaFormação de quadrilha: prisão de 1 a 3 anos.As penas podem ser agravadas pela repetição do crime. Alguns dos réus são acusados dezenas de vezes pelo mesmo crime neste inquérito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.