Russomano se esquiva sobre pedidos de votos em cultos

O candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PRB, Celso Russomano, disse neste sábado, que "não pode responder pelo que os outros falam", ao comentar o fato de os líderes da Assembleia de Deus Ministério em Santo Amaro, da zona sul da capital, terem pedido na noite de ontem votos dos fiéis à sua candidatura. O candidato e seu vice, Luiz Flávio D''Urso (PTB), dividiram o púlpito com os pastores.

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agência Estado

08 de setembro de 2012 | 17h10

Perguntado sobre o episódio, Russomano limitou-se a dizer que ele, como candidato, não pediu voto. "Eu não pedi voto", disse. Confrontado com o fato de que, apesar de não ter pedido votos, subiu ao altar da igreja e permaneceu ao lado do pastor Marcos Galdino, que pediu os votos, Russomano disse que não responder pelo que os outros falam. "Eu não posso responder pelo que os outros falam. Não posso responder nem pela sua pergunta. Não posso responder nem pelo o que o meu filho, que é fruto do meu fruto, fala", afirmou nesta tarde, antes de iniciar uma carreata no bairro da Penha, na zona leste da capital.

Ao ser indagado se não sabia que participar de um evento em um espaço considerado público pela legislação é irregular, Russomano insistiu: "eu não comento uma atitude que não é minha. Tem de perguntar para ele porque ele (o pastor) fez (o pedido)". Diante da pergunta do porquê não evitou comparecer ao evento no templo, o candidato do PRB respondeu: "Com é que eu sei o que as pessoas vão falar. Você está colocando numa situação em que eu não tenho como responder. Você (falando ao repórter) tem bola de cristal? Não tem. Você pode prever o que as pessoas vão falar? Não pode. Eu também não".

A legislação eleitoral proibe campanha dentro de templos religiosos por consiederá-los bens públicos. A pena pela infração varia de R$ 2 mil a R$ 8 mil.

Sobre as críticas feitas pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, dizendo que ele (Russomano) "mostra um gravíssimo despreparo ao criticar a atual administração e que lhe falta serenidade", o candidato disse que todas as suas propostas têm amparo no Orçamento Municipal. "Não são propostas estratosféricas. São propostas com pé no chão. Não tenho dito que vou construir. O que tenho dito é que vou por os serviços públicos em ordem e vou por os serviços públicos em ordem. Eles vão funcionar. Vão ter excelência", afirmou.

Russomano disse que atribui as críticas do prefeito ao fato de ele estar bem nas pesquisas. "Estou melhor do que o candidato dele (referência a José Serra, do PSDB)", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.