Russomanno repudia implantação de pedágios em São Paulo

Contra aumento de taxas, ex-deputado critica proposta que já vigora em algumas rodovias

Ricardo Chapola - estadão.com.br,

16 de julho de 2012 | 14h05

O candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, afirmou nesta segunda-feira, 16, ser "radicalmente contra" a política de implantação de pedágios na capital. Ele repudiou a proposta que já começará a vigorar nos perímetros urbanos das principais rodovias de acesso ao município. O modelo sugerido pelo governo do Estado pode ser posto em prática a partir de 2014.

"Eu sou contra pedágio urbano, eu sou contra aumento de custos, eu sou contra taxas. Não é assim que a gente constrói uma cidade melhor. Vai ficar melhor quando levarmos para as periferias polos de trabalho", enfatizou após um debate com empresários no Instituto de Engenharia, na zona sul de SP.

Ainda na linha das reduções das cargas tributárias, condenou a cobrança de multas de trânsito. "Temos que acabar com as multas. A velocidade das vias da cidade de São Paulo foi diminuída de 60 para 70 quilômetros por hora para aumentar a quantidade de multas. Então se quer melhorar a mobilidade urbana e diminui a velocidade das vias? É inconsistente. Só para aumentar a arrecadação".

Em nota, a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) destacou que o novo sistema de cobrança de pedágio está em estudo e não há prazo para sua implementação. Segundo o órgão, a aplicação do modelo levará em conta as peculiaridades das estradas.

Continuidade. Russomanno foi elogiado pelos empresários ao defender a continuidade das obras em andamento inciadas na gestão do prefeito Gilberto Kassab. Seriam intervenções muito caras ao orçamento da cidade e, segundo ele, descabidas. "Eu não paro o que é bom", disse o ex-deputado em elogios a alguns dos feitos de Kassab. Dos 223 itens existentes no plano de metas que a Prefeitura deveria atingir até o fim da gestão, só 160 foram cumpridas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.