Russomanno critica Kassab e chama administração atual de 'criminosa'

Candidato do PRB ironiza intenção do prefeito de se aproximar de sua campanha e o classifica como 'paraquedista'

Ricardo Chapola - O Estado de S. Paulo,

25 de julho de 2012 | 12h12

O candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, elevou o tom nas críticas ao prefeito Gilberto Kassab (PSD). Por 3 vezes, o ex-deputado chamou a administração atual de criminosa pela forma como atuou na Feira da Madrugada, onde visitou na manhã desta quarta-feira, 25. Ironizou também a matéria publicada pela Folha S. Paulo, que revela os esforços do prefeito em torno da campanha do PRB. Para Russomanno, Kassab é "paraquedista de araque".

"Eu vim sozinho até agora. Só porque agora eu estou bem nas pesquisas aparecem estes paraquedistas de araque para fazer essas confusões", comentou. "Eu não tenho nada a ver com Kassab".

Aliados do PRB temem que a rejeição do prefeito grude em Russomanno. O candidato foi imediatamente orientado a atacar ao falar com a imprensa.

Feira da Madrugada. Os feirantes criticam as intervenções municipais no terreno que é uma concessão da União. Desde 2010, a prefeitura, com ajuda da Tropa de Choque, destituiu cerca de 1500 comerciantes de seus boxes e confiscou toda a mercadoria. Alguns deles passaram a morar em barracas armadas nos terrenos da União para não perderem posse.

"Isso é ilegal. Caracteriza um crime de apropriação indébita", disse Russomanno. "É uma prática criminosa. Isso é um absurdo".

"Isso é uma área da União em que a Prefeitura não tem poder, de acordo com as informações que recebi até agora. Se é da União, a Prefeitura não podia estar agindo desta forma. A ilegalidade tá patente aqui", criticou.

"Aí existe a apropriação indébita. Isso é crime. E eu quero saber se o poder público está apurando o crime contra esses cidadãos. Porque independente de eles estarem vendendo com ou sem autorização, a mercadoria pertence a eles".

Em sua segunda visita aos camelôs da região - a outra ocorreu na semana passada - o candidato assinou um termo de compromisso com os comerciantes.

Quebra tudo. No fim da caminhada, um dos comerciantes exagerou na dose de revolta. Ao encontrar Russomanno, o vendedor, que na hora trabalhava na obra de um novo quiosque, protestou ser alvo de cobrança de propina de coronéis para que poder trabalhar na feira. Muito revoltado, o comerciante quebrou vários tijolos e derrubou parte de um muro que estava sendo erguido. O valor da taxa, segundo ele, é de R$ 1500.

Outra vez, Russomanno agrediu o governo municipal.

"A revolta é justa porque, se pedem para ele R$ 1500 para ele colocar um crachá no peito e poder vender, tá tudo errado. Alguém tá recebendo dinheiro. E isso é a administração atual que está fazendo".

Líderes das associações da Feira da Madrugada justificaram o escândalo do comerciante com a perda de sua loja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.