Alex Silva|Estadão
Alex Silva|Estadão

Russomanno convoca reunião do PRB para impedir que Tia Eron vote a favor de Cunha

Deputado e o senador Marcelo Crivella temem que desgaste do partido em salvar Cunha atrapalhe candidaturas no Rio e SP

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2016 | 11h50

BRASÍLIA - Pré-candidato à prefeitura de São Paulo, o deputado Celso Russomanno (PRB-SP) pediu nesta quarta-feira, 8, uma reunião com a cúpula do seu partido e com a bancada da Câmara para discutir a situação do voto da deputada Tia Eron (PRB-BA). De acordo com fontes, o objetivo de Russomanno é pressionar a direção da sigla para que a deputada não dê voto favorável à Cunha. Tanto Russomanno quanto o senador licenciado Marcelo Crivella (PRB-RJ), pré-candidato à prefeitura do Rio, temem que o desgaste do partido em salvar Cunha da cassação atrapalhe a candidatura deles. "O Celso está desesperado", contou um parlamentar.

Na terça, a deputada Tia Eron não participou da sessão que votaria o pedido de cassação de Cunha. Pressionada pela direção do partido, a deputada ficou escondida em um gabinete sem passar sequer perto da reunião do conselho. Temendo a derrota, os adversários de Cunha perceberam que o suplente que votaria no lugar de Tia Eron seria o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) e, assim, o pedido de cassação seria sepultado. A solução encontrada foi adiar a votação. 

O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo, atribuiu a uma “manobra” do Planalto com o PRB o motivo para ter decidido adiar a votação do parecer pela cassação de Cunha.

Relator. O deputado Marcos Rogério (DEM-RO), relator do processo disciplinar contra o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciou na manhã desta quarta que não vai alterar seu voto que pede a cassação do peemedebista. Na terça, 7, o relator pediu vista da proposta do deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) sugerindo que a pena para Cunha fosse de suspensão do mandato por três meses.

Marcos Rogério pretende entregar nesta tarde ao Conselho de Ética da Câmara suas ponderações por escrito. Nesta quarta, não haverá reunião do colegiado e a previsão é que a sessão de votação do parecer aconteça entre terça e quarta da próxima semana. O presidente do conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), pretendia marcar a reunião para terça-feira (14), mas, segundo relatos de conselheiros, o próprio advogado de Eduardo Cunha, Marcelo Nobre, pediu para que não houvesse reunião nesse dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.