Ruralistas suspendem bloqueio e sem-terra retomam marcha

Os 800 sem-terra que marcham em direção a São Gabriel vão caminhar sete quilômetros hoje, de ponte da Várzea, na BR-392, até a Vila Bloch, no interior do município de São Sepé. A retomada dos deslocamentos só se tornou possível nesta madrugada, quando os 300 ruralistas que bloqueavam a passagem do MST pela rodovia aceitaram a proposta do secretário de Segurança do Rio Grande do Sul, José Otávio Germano, e liberaram a pista. O governo do Estado lembrou aos fazendeiros que os sem-terra têm o direito constitucional de livre locomoção no território nacional e comprometeu-se a defender o direito de propriedade dos proprietários rurais. Para evitar invasões, a Brigada Militar cadastrou os participantes e vai acompanhar todos os passos da marcha. A situação calma de hoje contrasta com o final de semana tenso. Desde a madrugada de sábado, os ruralistas impediam a passagem dos sem-terra sobre uma ponte próxima à divisa dos municípios de Santa Maria e São Sepé. Os dois grupos ficaram a apenas 70 metros de distância durante mais de 48 horas. Diante da possibilidade de um conflito, o governo do Estado deslocou soldados da Brigada Militar e o secretário de Segurança para o local. A marcha dos sem-terra começou no dia 10 de junho para pressionar o Judiciário a rever, no julgamento do mérito, em agosto, a liminar que suspendeu a desapropriação de 13,2 mil hectares do agropecuarista Alfredo Southall, em São Gabriel. O grupo saiu de Pântano Grande, na região Carbonífera, e passou por Cachoeira do Sul, Restinga Seca e Santa Maria. Se seguir pelas BRs 392 e 290, a marcha ainda está a cerca de 120 quilômetros do destino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.