Ruralista diz que vai processar José Rainha

A União Democrática Ruralista (UDR), entidade que reúne fazendeiros, decidiu nesta segunda-feira processar criminalmente o coordenador do Movimento dos Sem-Terra (MST) no Pontal do Paranapanema, José Rainha Júnior, que acusou a entidade de manter milícias armadas.Segundo Rainha, a UDR seria uma "organização assassina", responsável por conflitos que resultaram em mortes no campo. O presidente da entidade, Luiz Antonio Nabhan Garcia, disse que o líder do MST terá de provar as acusações na Justiça, pois será processado por calúnia e difamação. "Quem respondeu a processo por homicídio foi ele, não nós."Rainha foi acusado da morte de um fazendeiro no Espírito Santo, mas acabou sendo absolvido pelo tribunal do júri. Ele também foi ferido de raspão pelo tiro disparado por um fazendeiro no Pontal. "Nós não temos milícias armadas, no entanto o Rainha já foi preso por porte ilegal de arma", disse Nabhan. Segundo ele, as acusações do líder dos sem-terra contribuem para aumentar o clima de tensão no Pontal e visam desestabilizar as instituições."O governo Lula precisa abrir os olhos, pois ele chegou ao poder pelo voto, mas essa facção criminosa que se diz parceira dele quer o poder pela ilegalidade." Rainha disse que não teme "mais um processo" e reafirmou a acusação. "A UDR foi criada para armar os fazendeiros e reprimir os trabalhadores." Os próprios fazendeiros, segundo ele, "não escondem que estão armados e dispostos a tudo para se manterem na posse dos seus latifúndios".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.