Rural concedeu empréstimos regulares, diz advogado

O advogado e ex-ministro da Justiça José Carlos Dias afirmou nesta terça que um laudo do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal atestou que os empréstimos concedidos pelo Banco Rural para duas empresas do publicitário Marcos Valério e para o PT, no valor de R$ 32 milhões, foram regulares. "Isso está escrito e o que me impressiona é que o Ministério Público ignorou um laudo desse. Fez letra morta um laudo desse", criticou Dias, defensor da ex-presidente da instituição Kátia Rabello.

RICARDO BRITO, Agência Estado

07 de agosto de 2012 | 20h26

Segundo o defensor, não se pode acusá-la de gestão fraudulenta por causa dos empréstimos. Dias afirmou que Kátia participou apenas da renovação do empréstimo tomado pelo PT, no valor original de R$ 3 milhões. "Ela não pode, de maneira nenhuma, ser responsabilizada por atos que ela não praticou", afirmou.

O advogado ressaltou que, quando Kátia assumiu a presidência do Rural, em abril de 2004, após a morte de José Augusto Dumont, ela teve uma conversa com Valério para cobrar a quitação dos empréstimos. Segundo ele, as renovações eram "sempre trimestrais, como uma forma de pressionar Marcos Valério a liquidar o seu débito".

Ao fim da exposição, Dias defendeu a absolvição da sua cliente, atualmente apenas acionista do Rural. "Está absolutamente comprovada a inocência de Kátia Rabello", finalizou.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãojulgamentoRural

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.