Rumos do futebol preocupam

Dizendo-se tranqüilo com os rumos da economia e da política, demonstrando até despreocupação com o julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva revelou-se, nos momentos descontraídos ? no início e no fim da entrevista ?, um boleiro apreensivo com os rumos dos times brasileiros de futebol. "Vejam o absurdo: nós nem ficamos com jogadores até 20 anos de idade, nem ficamos com jogadores depois de 30. Depois de 30 eles vão todos para o Japão; antes dos 20 eles também vão embora", afirmou o presidente, citando os mercados da Itália, da Espanha e da Rússia. A febre exportadora de "meninos jogadores", que nem formados estão, impressiona tanto Lula que ele acabou revelando o início de uma negociação para restringir o alcance do passe livre. "Eu fiquei sabendo que o Pelé já deu sinais de querer conversar sobre a Lei Pelé. Ele acha que a lei já passou do ponto", afirmou. "Você pega o Kaká, que é o melhor exemplo. Ele iria embora de graça. O São Paulo é que teve sorte de ainda vender por R$ 8 milhões. Hoje, ele vale R$ 100 milhões. Veja o Ronaldinho: foi vendido por R$ 3 milhões. É preciso cuidar disso."

Entrevista com

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.