Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Rui Falcão nega influência do PT em mudança de juiz da Zelotes

Juiz titular da Vara reassumiu a operação nesta quarta, no lugar da magistrada substituta que determinou as buscas nas empresas do filho de Lula

Ana Fernandes, O Estado de S. Paulo

05 Novembro 2015 | 19h20

São Paulo - O presidente nacional do PT, Rui Falcão, negou enfaticamente que o partido tenha tido qualquer relação com a mudança de comando na operação Zelotes - a juíza substituta Célia Regina Ody Bernardes, deixou nesta quarta, 4, de conduzir a operação, após o retorno do juiz titular da 10.ª Vara, Vallisney de Souza Oliveira. "De maneira nenhuma, nunca interferimos nem na indicação nem na substituição", disse Falcão.

Na semana passada, o dirigente e outros petistas reclamaram da intimação do filho do ex-presidente Lula Luis Cláudio na operação e chegaram a dizer que havia perseguição contra o ex-presidente.

Questionado se a mudança no comando da Zelotes é positiva, Rui Falcão disse esperar que se cumpram os ritos da Justiça e que a operação chegue de fato aos "grandes sonegadores". A operação Zelotes investiga esquema de corrupção por suspeita de sonegação fiscal e previdenciária. 

A magistrada Célia Regina Ody Bernardes assumiu os procedimentos da Zelotes em setembro. Mesmo com pouco tempo à frente do caso, foi tida como a responsável por mudar o curso da investigação criminal, ao aceitar as primeiras prisões de investigados e a ação de busca e apreensão no escritório de Luís Cláudio. A juíza concordou com os argumentos de dois procuradores da República, que consideraram muito suspeito o fato de uma empresa de Luís Cláudio, a LFT Marketing Esportivo, ter recebido, em 2014, pagamentos de R$ 2,4 milhões de uma consultoria investigada por "comprar" medidas provisórias nos governos de Lula e de Dilma Rousseff.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.