Rui Costa: é simplista reduzir Nordeste ao Bolsa Família

O governador eleito da Bahia, Rui Costa (PT), rebateu as críticas da oposição sobre o fato de os eleitores do Nordeste votarem na presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff em razão do Bolsa Família. No primeiro turno, Dilma obteve 16,3 milhões de votos na região, contra 4,3 milhões de Aécio Neves (PSDB). "É uma avaliação simplista e reducionista isso de que o Nordeste é o Bolsa Família. Quem conhecia o Nordeste de 15 anos atrás e conhece o de agora vai perceber que a realidade das famílias e a dinâmica econômica mudou radicalmente", afirmou. "Vejo os articulistas (da imprensa) criticando o Nordeste sem de dedicar por 30 minutos para entender a região", observou.

ERICH DECAT E NIVALDO SOUZA, Estadão Conteúdo

20 de outubro de 2014 | 17h13

A afirmação foi uma crítica à declaração recente do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de que "o PT está fincado nos menos informados, que coincide de ser os mais pobres". Embora FHC não tenha citado o Nordeste, a afirmação se ''viralizou'' nas redes sociais como um ataque tucano à supremacia petista nas urnas nordestinas. Na entrevista, Costa defendeu o governo petista na esfera federal como responsável pelo surgimento de cidades médias com atividades econômicas locais.

O governador eleito aponta a consolidação do polo de energia eólica no Estado baiano como resultado da gestão petista. "A Bahia passa, a partir de 2015, a ser o maior parque eólico do País, com a instalação de geradores no interior e a verticalização que fizemos de toda a cadeia de produção de componentes", disse.

O substituto do atual governador Jaques Wagner (PT) prometeu uma retomada no polo petroquímico de Camaçari, esquecido pela Petrobras. A estatal priorizou nos últimos anos investimentos no Porto de Suape, em Pernambuco, onde constrói a refinaria de Abreu e Lima. "Conseguimos negociar com as empresas, depois de ficar anos sem investimentos no polo petroquímico, o pagamento de créditos tributários que estavam retidos", relatou.

A meta a partir de 2015, segundo ele, é construir um polo têxtil e consolidar o núcleo fabril de acrílicos de Camaçari. "Conseguimos um investimento de R$ 1,3 bilhão da Basf no complexo de acrílicos. Isso abre perspectiva para uma nova cadeia produtiva de plástico. Eu diria que até para indústria têxtil, já que passamos a ter o poliéster e temos algodão no oeste da Bahia. Teremos, assim, duas matérias-primas para a produção têxtil e vamos buscar verticalizar essa cadeia produtiva aqui no Estado", afirmou.

Aécio

A seis dias da eleição presidencial, o governador eleito considerou que uma vitória do candidato Aécio Neves (PSDB) seria "péssima" para o Nordeste, podendo acarretar uma possível desindustrialização na região.

"Considero péssimo não só para Bahia como para o nordeste brasileiro (a eleição de Aécio). Se fizermos uma fotografia do Nordeste de 15 anos atrás com o de hoje, as diferenças são gritantes", afirmou o petista. "A economia, a empregabilidade e o dinamismo econômico da Bahia e do Nordeste mudaram radicalmente (no governo PT). Por isso, eu tenho a nítida compreensão de que, com a eleição do candidato do PSDB, isso não se manterá e haverá um retrocesso."

O governador eleito cita como exemplo a guerra fiscal envolvendo Bahia, Minas Gerais e São Paulo. "Um exemplo disso é a perseguição que o Aécio, quando era governador, depois o sucessor dele (Antônio Anastasia) e mesmo o governo de São Paulo fazem com a industrialização da Bahia e do Nordeste. É o caso concreto da Ford na Bahia, que eles insistem em não reconhecer os incentivos fiscais e cobram, judicialmente, uma suposta dívida dos carros que são vendidos para Minas e São Paulo. Isso é uma nítida tentativa de fechar fábricas na Bahia e no Nordeste", ressaltou.

Duto

Apesar das críticas ao PSDB, o governador eleito afirma que, caso o tucano seja eleito, irá cobrar o que é de "direito" do Estado na área dos investimentos em obras e infraestrutura. O petista também rebateu críticas do atual prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM). Em entrevista ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado no último dia 9 de outubro, ACM Neto afirmou que o modo de governar do PT na Bahia é "truculento", recorrendo ao uso "intenso da máquina" para se manter no poder.

"Ele aqui, como prefeito da cidade, desvia, através da publicidade, uma verdadeira fortuna para o seu jornal, as suas rádios e para a filiada da Globo via verba de publicidade, como o Aécio fez em Minas. É na verdade um duto que sai da prefeitura e vai direto para rádio, jornais e a TV, que é de sua propriedade. Nós sempre perguntamos se eticamente isso é correto", atacou.

Rui Costa minimizou, entretanto, um possível impacto eleitoral das declarações da presidente Dilma Rousseff, que admitiu no último sábado, 18, que houve desvio na Petrobras, no esquema coordenado pelo ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa. O mesmo tom foi usado pelo petista ao avaliar a operação da Polícia Federal realizada no dia de hoje, que desarticulou uma quadrilha que atua em fraudes de licitações de órgãos públicos federais. Foram expedidos seis mandados de prisão temporária e 14 de busca e apreensão.

"Acredito que não terá impacto, porque pessoas boas e que fizerem coisas erradas têm em todos partidos políticos... Acho que toda a generalização não ajuda a separar o joio do trigo. O que temos que reforçar são as instituições, como ao longo dos últimos anos tem sido feito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.