RS cria subcomissão para investigar tráfico de influências

Uma subcomissão especial será criada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul para investigar o suposto tráfico de influências do diretor do Clube de Seguros da Cidadania Diógenes de Oliveira em órgãos do governo do Estado. A decisão foi tomada nesta terça-feira, em reunião do presidente da CCJ, Jair Foscarini (PMDB), com deputados que analisaram denúncias contra Oliveira durante o recesso parlamentar. As acusações contra ele partiram da ex-sócia na empresa Pangea Viagens e Turismo, Maria Ângela Fachini. Em depoimento ao Ministério Público (MP), Maria Ângela disse que a firma ganhou uma concorrência da Secretaria de Saúde do Estado, que teria tido cartas marcadas. Em troca, Oliveira teria usado o prestígio no governo gaúcho para transferir o responsável pela licitação, Pedro Bessa, para a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan). A subcomissão convidará todos os citados na documentação a prestarem informações.Ao fim dos trabalhos, num prazo de 30 dias, apresentará parecer à CCJ, recomendando o arquivamento do assunto ou a denúncia dos envolvidos à Justiça. Pode ainda sugerir a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI), se entender que a investigação não conseguiu esclarecer, suficientemente, as suspeitas.Cassação - A CCJ deve receber nos próximos dias o parecer do deputado Manoel Maria (PTB), relator do pedido de impeachment do governador Olívio Dutra (PT), feito pelo advogado Carlos Legendre em abril, com base nas conclusões da CPI da Segurança Pública da Assembléia, encerrada em novembro, que acusou o petista de retardar a repressão ao jogo do bicho. Maria remeteu o processo para a Procuradoria do Legislativo analisar aspectos legais e aguarda o parecer para depois elaborar a conclusão e encaminhá-la à CCJ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.