Royalties do petróleo são foco de fala de Dilma no rádio

A destinação de recursos dos royalties do petróleo para a área da educação foi tema abordado nesta segunda-feira pela presidente Dilma Rousseff no programa semanal de rádio "Café com a Presidenta". "Eu enviei ao Congresso uma Medida Provisória que destina todos os royalties e as participações especiais arrecadados com as futuras concessões de petróleo e gás para a educação e 50% do Fundo Social, que é integrado pelos recursos do pré-sal", disse Dilma. Segundo a presidente, esse será "o maior investimento que o Brasil vai fazer no presente e no futuro de todos os seus filhos".

AE, Agência Estado

03 de dezembro de 2012 | 12h52

A presidente argumentou também que o governo trabalha para construir uma economia mais forte e mais competitiva, e uma sociedade mais justa, com mais oportunidades, com renda maior, emprego melhor, ascensão social e conquista de direitos para todos. "Nenhuma criança brasileira pode ficar de fora", destacou. A nova MP à qual se referiu a presidente deve ser publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

Dilma iniciou o programa falando sobre o programa "Brasil Carinhoso". "A partir deste mês, a renda das famílias com crianças e jovens, de 7 a 15 anos de idade, vai ser complementada para que cada uma das pessoas tenha renda de pelo menos R$ 70 por mês", explicou. Ela lembrou que o programa foi ampliado e passou a pagar também para as famílias com filhos de 7 a 15 anos de idade (antes atendia famílias com crianças entre zero e seis anos). Dilma ressaltou que 42% dos brasileiros que vivem hoje na extrema pobreza têm menos de 15 anos de idade.

De acordo com a presidente, nos seis meses da primeira fase do Brasil Carinhoso foi possível tirar da extrema pobreza mais de 9 milhões de pessoas, contando as crianças até 6 anos e suas famílias. "Com a expansão para as famílias com filhos de 7 a 15 anos, vamos beneficiar, ao todo, 16,4 milhões de pessoas em todo o País", defendeu.

Dilma, entretanto, disse que essa mobilização no combate à pobreza começou com a criação do Bolsa Família, há 9 anos. "Se não fosse o Bolsa Família, ainda teríamos 36 milhões de pessoas na pobreza extrema. Fomos aperfeiçoando e agora temos de continuar e podemos acabar de vez com a miséria no nosso País", disse a presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
royaltiesDilmaCafé com a Presidenta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.