Rossoni quer descontar falta de deputado no Paraná

O presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado estadual Valdir Rossoni (PSDB), disse hoje que vai determinar o desconto de vencimento dos deputados que faltarem a sessões plenárias sem que haja justificativa. Em uma reunião amanhã ele deve fazer o comunicado aos líderes dos partidos e à tarde fazer o anúncio oficial em plenário.

EVANDRO FADEL, Agência Estado

07 de fevereiro de 2011 | 17h33

Segundo ele, o desconto será proporcional ao número de sessões realizadas durante o mês. Ele afirmou que não irá questionar a apresentação de nenhuma justificativa. "Se um parlamentar justificar a ausência, vamos colocar no portal a justificativa, porque se for repetidamente o mesmo problema o próprio eleitor do deputado vai saber analisar esse pedido", afirmou. "Se o parlamentar está usando de artifícios, aí não é problema do presidente". De acordo com o presidente, a presença será verificada no início da sessão, no momento em que começam as votações e no encerramento.

Rossoni assumiu a presidência da casa no dia 1º de fevereiro e instituiu uma coordenadoria militar, que será transformada em gabinete militar por meio de projeto legislativo. Para isso, ele acabou com a segurança realizada por pessoas contratadas pela própria Assembleia Legislativa. A maioria ocupava cargo em comissão e foi exonerada. O primeiro trabalho da coordenadoria foi realizar uma varredura nos principais gabinetes de chefia da casa, onde foram encontradas escutas telefônicas.

No início da noite de ontem, os técnicos encontraram também fios embutidos em um detector de fumaça, que serve para prevenir incêndios, na segunda secretaria da casa. De acordo com a análise inicial, aos fios poderia ser conectada uma câmera de vídeo para captar o que acontecia na sala. Todos os aparelhos foram periciados pelo Instituto de Criminalística e encaminhados para o Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), que investiga o caso na área policial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.