Rosinha e Magela negam envolvimento com Waldomiro

A governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Garotinho (PMDB), e o coordenador geral da campanha eleitoral de Geraldo Magela (PT-DF), Raimundo Junior, negaram hoje ter recebido dinheiro do ex-subchefe parlamentar Waldomiro Diniz.Rosinha, que chega amanhã ao Rio de uma viagem a Israel, negou que Waldomiro tivesse autorização para tratar de assuntos em nome de sua candidatura - nas gravações a que a revista Época teve acesso, ele negocia com o bicheiro Carlinhos Cachoeira contribuições de R$ 150 mil para as campanhas eleitorais de Rosinha e Benedita.Em nota divulgada sobre as denúncias de corrupção contra Waldomiro, ela fez questão de lembrar que o ex-subchefe parlamentar promete beneficiar um bicheiro numa concorrência pública durante o governo de Benedita da Silva (PT). Waldomiro estava à frente da Loteria do Estado do Rio (Loterj) desde o mandato do marido de Rosinha, Anthony Garotinho, que renunciou para concorrer à presidência.A governadora ameaça ainda processar Waldomiro, se ficar comprovado que ele agiu usando seu nome. "Os recursos da campanha de Rosinha Garotinho foram obtidos e utilizados com transparência e declarados ao Tribunal Regional Eleitoral, em cujo site se encontram disponíveis para consulta", diz trecho da nota, divulgado pela Assessoria de Imprensa da governadora.O coordenador geral da campanha eleitoral do candidato do PT ao governo do Distrito Federal, Raimundo Junior, também nega que tenha recebido dinheiro do ex-subchefe parlamentar para campanha de Geraldo Magela. Ele assegurou que em nenhum momento recebeu doação trazida ou entregue por Waldomiro. Segundo Raimundo Junior, todos os recursos recebidos pelo comitê eleitoral de Magela foram identificados na prestação de contas encaminhada à justiça eleitoral.O coordenador da camanha disse que o partido vai acompanhar as investigações do inquérito da Polícia Federal sobre o caso e acrescentou que o comitê eleitoral de Magela ainda está avaliando de farão uma interpelação judicial ao Waldomiro Diniz.A ex-ministra de Assistência e Promoção Social Benedita da Silva está em Washington e não foi localizada para comentar as denúncias de corrupção durante sua campanha ao governo do Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.