Roseana Sarney é analisada na Europa

A ascensão da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, ao segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de 2002, além de criar um crescente interesse no mercado financeiro internacional - merecendo inclusive uma reportagem na última edição da revista The Economist - também é vista, embora de forma extremamente cautelosa, como um sinal positivo, pois até o momento, nenhum dos dois principais pré-candidatos da coalizão governista - José Serra ou Tasso Jereissati - deu mostras de ter condições de entusiasmar o eleitorado.Analistas e investidores temem que a vitória de um candidato oposicionista no pleito do próximo ano possa gerar mudanças na condução da política econômica e essa incerteza será um fator com peso cada vez maior na taxa de risco do País. Roseana Sarney é um elemento novo - o único até o momento - na sucessão.O perfil da governadora do Maranhão é muito pouco conhecido entre analistas da Europa, embora o seu nome esteja começando a ocupar espaço nos relatórios dos bancos de investimentos sobre o Brasil. "São poucos os que a conhecem, mas a curiosidade certamente está aumentando muito depois do salto nas pesquisas", disse à Agência Estado o analista de uma agência de classificação de risco. "O fato dela ser filha do José Sarney, cuja passagem na presidência é mal vista pelo mercado, e o temor de ela ser um ´Collor de saias´ não ajudam, mas no geral as pessoas parecem estar gostando do crescimento eleitoral dela."Segundo ele, a ascensão de Roseana Sarney pode ter um efeito positivo junto ao mercado, "pelo menos no curto prazo", pois indica a existência de um candidato ligado ao governo com uma possível viabilidade eleitoral. "O Serra, por exemplo, pode ser o melhor candidato do mundo, mas parece carecer de um fator fundamental: carisma."Já para o analista para América Latina do banco de investimentos Dresdner Kleinwort Wasserstein, Nuno Câmara, as chances da governadora solidificar a sua candidatura nos próximos meses são grandes. Segundo ele, Roseana Sarney pode representar "a mudança com segurança" para o eleitorado. "A classe média foi muito penalizada nos últimos tempos, com a alta dos juros, elevação inflacionária e desvalorização do real, e tende a votar na oposição, por alguém que sinalize uma mudança", afirmou. "Ainda é muito cedo, mas a Roseana pode ser essa alternativa com mais segurança, pois não alterará os fundamentos da política econômica mas, pelo fato de ser uma cara nova e mulher, poderá sinalizar que dará mais atenção às questões na área social."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.