Roseana pode ser arma de Lula para conquistar PFL

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva levará amanhã em sua comitiva, na visita a Balsas, no Maranhão, a senadora Roseana Sarney (PFL-MA), na tentativa de obter a ajuda desta aliada desde o primeiro turno das eleições para quebrar o gelo com o presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), que tem feito oposição sistemática ao governo. Objetivo de Lula é amainar caminho para aprovação das reformas previdenciária e tributária no Congresso. A exemplo da aproximação que já fez com o PMDB, patrocinado pelo presidente do Senado, José Sarney (AP), o Planalto tem interesse em que o PFL também apóie as votações das emendas nas duas Casas. Do prefeito da cidade, Jonas Denito, que é do PDT, Lula receberá o apoio para as reformas, apesar de o seu partido resistir às propostas. "Defendo que, a partir de um teto haja cobrança de contribuição dos inativos", disse ele hoje, ao pregar a necessidade de mudanças. Na visita ao Maranhão, Lula ouvirá também pleitos do Estado, levados pelos três senadores e cinco deputados que o acompanharão. O Maranhão briga pela instalação de uma refinaria na região, quer obras de infra-estrutura e saneamento básico, quer construção de hospitais, além de ampliar o programa Primeiro Emprego, instituído por Roseana, quando era governadora.Mas o presidente ouvirá também os pedidos da região, que é grande produtora e exportadora de soja e considerada uma nova fronteira agrícola. Lula vai participar da AgroBalsas, a quinta feira de agronegócios a que comparece desde que assumiu o governo. Os produtores querem aumento do crédito para o setor e melhorias na cidade. A safra da região para este ano é de um milhão de toneladas de grãos, sendo 800 mil de soja e o restante de milho e arroz. O Nordeste consome 30% desta soja e o restante é vendido para o exterior pelo corredor de exportação do Porto de São Luiz. O milho e arroz é todo destinado ao mercado interno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.