Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Roseana divide a oposição para governar o Maranhão

Ex-senadora assumiu Estado após a cassação de Jackson Lago, acusado de abuso de poder político em 2006

EUGÊNIA LOPES, Agencia Estado

19 de abril de 2009 | 19h25

Três dias depois de assumir o Estado do Maranhão, a ex-senadora Roseana Sarney (PMDB) inicia nesta segunda-feira, 20, seu governo investindo no racha dos partidos de oposição e disposta a trazer para seu lado antigos aliados que romperam com a família Sarney. É o caso do ex-prefeito de São Luís Tadeu Palácio, do PDT do governador cassado Jackson Lago, que vai assumir a secretaria de Turismo do Estado. Roseana Sarney também dividiu o PT e dará a secretaria de Trabalho para a chamada ala "sarneísta" do partido.

Ao mesmo tempo em que trabalha pelo racha na oposição e pela ampliação de sua base de apoio na Assembleia Legislativa, a nova governadora tenta dissociar sua imagem de seu pai, o senador José Sarney (PMDB-AP). Empossada na última sexta-feira no cargo, Roseana afirma, sem modéstia, que ganhou o governo do Maranhão no primeiro turno das eleições de 2006, quando obteve 49% dos votos válidos - na realidade, no primeiro turno, ela obteve 47,2% dos votos válidos contra 34,3% dados ao ex-governador Jackson Lago (PDT).

"Ficou claro que houve corrupção na eleição. Eu ganhei no primeiro turno com ampla maioria. Tive uma ampla maioria em cima do segundo colocado, que foi o Jackson. Era meu esse governo. Eu ganhei as eleições", disse Roseana. Com 20 meses pela frente de governo, Roseana Sarney se afastará temporariamente do comando do Estado, no fim de maio, quando se submeterá à 21ª cirurgia de sua vida, desta vez para a retirada de um aneurisma.

Antes da operação, a governadora quer construir um amplo leque de alianças partidárias que permitirá cacifar sua candidatura à reeleição do governo, nas eleições de 2010. Mal assumiu o governo, Roseana já controla 28 das 42 cadeiras da Assembleia Legislativa do Maranhão.

Tudo o que sabemos sobre:
Roseana SarneyMaranhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.